1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Cobertura de prédio no Rio vira base da Marinha na Copa

Felipe Werneck, Thaise Constâncio - O Estado de S.Paulo

07 Junho 2014 | 02h 01

Mesmo que administração do local tenha autorizado a entrada de equipamentos, moradores indagam que não foram consultados

A Marinha do Brasil iniciou procedimentos para "posicionamento de posto de vigilância do espaço aéreo e de material de defesa antiaérea" no terraço de um prédio de 15 andares e 90 apartamentos na Tijuca, zona norte do Rio, a 600 metros do Maracanã. Ofício obtido pelo Estado, assinado em 29 de maio pelo capitão de fragata Marco Aurélio da Silva, comandante do Batalhão de Controle Aerotático e Defesa Antiaérea, pede permissão à síndica do edifício Chateau Grenoble para ocupar a cobertura durante a Copa do Mundo, "em defesa antiaérea do Maracanã".

A administração autorizou a ocupação, segundo comunicado enviado ontem. Moradores ouvidos pela reportagem, contudo, dizem não ter sido consultados. Um deles, o economista aposentado Almir Gomes Cardoso, de 72 anos, conta que se surpreendeu com a movimentação de fuzileiros navais. "Eles (militares) confirmaram que vão instalar um míssil no telhado", afirmou Cardoso, que mora na cobertura. "A síndica não relatou nada. Foi um fato consumado." A reportagem procurou a síndica, mas ela não retornou o contato.

Marcos de Paula/Estadão
Segurança será reforça durante Copa do Mundo no Brasil

Segundo o major Marco Ferreira, do Centro de Coordenação de Defesa de Área do Rio, a eventual instalação de "mísseis que operam com radar" é um dos eixos do controle do espaço aéreo. Quando perguntado sobre o uso de prédios residenciais pela Marinha, ele declarou não ter acesso à informação.

Espaço aéreo. A pedido das Secretarias de Segurança Pública dos Estados, em razão do agravamento do clima de tensão às vésperas do início da Copa, a Aeronáutica ampliou de 13 para 18,5 quilômetros, a partir dos estádios, a área de proibição de circulação de aeronaves e helicópteros. Com a criação da nova área de exclusão aérea, classificada como zona marrom, três horas antes do início e três horas depois dos jogos da Copa, as aeronaves não poderão sobrevoar os estádios. As regras valem para as 12 cidades-sede. / COLABOROU TÂNIA MONTEIRO

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo