Mark Schiefelbein/EFE
Mark Schiefelbein/EFE

COI encerra visita a Pequim com elogios à candidatura olímpica

Cidade teria se adaptado bem à chamada 'Agenda 2020'

Estadão Conteúdo

29 Março 2015 | 12h17

Os inspetores do Comitê Olímpico Internacional (COI) encerraram neste domingo a visita de quase uma semana a Pequim elogiando a candidatura chinesa para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. Na avaliação dos membros do COI, Pequim conseguiu se adaptar bem à chamada "Agenda 2020", as novas diretrizes da entidade para candidaturas e sedes olímpicas.

Em entrevista coletiva, o presidente do Comitê de Avaliação do COI, Alexander Zhukov, afirmou que Pequim apresentou um projeto olímpico mais sustentável e centrado nos atletas. Os chineses apostam na experiência e na infraestrutura obtida como sede dos Jogos Olímpicos de Verão, em 2008, para que Pequim se torne a primeira cidade do mundo a receber tanto a Olimpíada de Verão quanto a de Inverno.

"Nesta visita, pudemos ver que os Jogos de 2008 deixaram um profundo legado. Pudemos ver que o legado em nível de experiência e conhecimento por parte da equipe da candidatura de Pequim", destacou Zhukov.

Pequim é favorita em uma disputa na qual só permaneceram a cidade chinesa e a capital do Casaquistão, Almaty, depois da desistência das principais candidaturas europeias. Cidades da América do Norte não entraram na disputa porque o COI já havia indicado que a preferência era da Europa dentro do esquema de rodízio imposto pelo comitê.

Com apenas duas opções, Pequim sai na frente de Almaty por conta do know how obtido em 2008 e pela possibilidade de difundir o esporte de inverno no país mais populoso do mundo.

A candidatura chinesa, entretanto, também tem pontos negativos: a distância entre Pequim e a área montanhosa onde serão realizadas as competições de neve, a própria falta de neve natural, a poluição do ar e as críticas da comunidade internacional pelo desrespeito aos direitos humanos. A decisão será anunciada em 31 de julho, durante congresso do COI em Kuala Lumpur, na Malásia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.