Comissão antidoping da Rússia sugere medidas para recuperar confiança em atletas

Uma comissão antidoping criada pelo presidente Vladimir Putin, na Rússia, sugeriu medidas para tentar recuperar a confiança mundial no esporte do país depois do escândalo de doping revelado pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) em 2015.

Estadao Conteudo

23 Maio 2017 | 12h18

Apesar de negar que o governo russo tenha acobertado o uso de substâncias proibidas por parte de atletas, a comissão liderada pelo ex-membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), Vitaly Smirnov, critica a legislação do país e quer que a prevenção e a fiscalização sejam intensificadas.

Em comunicado, a comissão diz que atletas que usam substâncias proibidas acabam se beneficiando da falta de mecanismos que possam fazê-los perder os ganhos financeiros obtidos em competições que ganharam sob efeito dessas substâncias.

Além dos ganhos pelas vitórias, alguns atletas recebem gratificações do governo russo. Medalhistas de ouro na Olimpíada do Rio de Janeiro, em 2016, por exemplo, ganharam um carro e cerca de US$ 70 mil (cerca de R$ 230 mil) de um fundo público-privado, numa cerimônia no Kremlin.

Além de confiscar os prêmios de atletas que tenham sido flagrados nos exames antidoping, a comissão propõe a realização de mais testes nos atletas, e pede maior abertura das chamadas "cidades fechadas", onde diversos atletas treinam em territórios militares com acesso restrito.

Mais conteúdo sobre:
Rússia doping Vladimir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.