Nathalia Garcia/Estadão
Nathalia Garcia/Estadão

Entre Phelps e Daniel Dias, fã mirim elege astro paralímpico como referência

Paixão de Lucca, de 3 anos, começou pela TV durante a Paralimpíada do Rio

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2017 | 07h01

Na disputa entre o norte-americano Michael Phelps - o maior medalhista olímpico da história - e Daniel Dias - o maior medalhista da natação paralímpica masculina de todos os tempos - quem leva a melhor é o brasileiro, ao menos no coração de Lucca Bariani Barros, de 3 anos. 

"Nos Jogos Olímpicos, a gente colocava ele para ver natação todos os dias. Tinha o fenômeno Phelps. Ele também precisava ter uma referência na Paralimpíada e viu o Daniel nadar pela primeira vez. Ele me pediu para tirar do Discovery Kids para ver as finais do Daniel e torcia pela televisão como se estivesse na arquibancada (do Estádio Aquático)", conta a mãe Patrícia.

Surpresa com a reação do filho, ela mandou um vídeo ao nadador na tentativa de conhecê-lo pessoalmente e o pedido foi atendido. Assim, o primeiro contato entre ídolo e fã mirim ocorreu em janeiro. A família ficou um pouco apreensiva com a reação de Lucca diante da deficiência física de Daniel, mas Patrícia diz que a criança encarou as diferenças com naturalidade. 

"Ele perguntou para a gente porque o Daniel não tinha (todos os membros). Falamos que ele tinha nascido assim e até agora está indo super bem. Ele dá um toquinho na mão do Daniel como se fosse normal. A gente fica muito feliz porque queria que ele não visse diferença." Admirador do saci-pererê, o menino até compara o nadador à lenda do folclore brasileiro.

Nas piscinas desde 1 ano e 5 meses, Lucca começou a pegar gosto pela natação depois de assistir aos astros nos Jogos do Rio e quer seguir o exemplo do medalhista paralímpico. "O Lucca está nadando e pergunta se está batendo perna e braço igual ao Daniel. Tem o Daniel como referência na vida dele", destaca Patrícia.

No Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, o garoto estava na torcida na primeira competição de Daniel Dias depois da Paralimpíada do Rio. A mãe até mandou fazer uma camiseta personalizada com uma foto da dupla e as hashtags #Deusébomotempotodo e #SomosTodosDanielDias para ser usada pelo filho durante o Open, em São Paulo, no mês passado. Esse foi só o começo dessa amizade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.