Stefan Wermuth / Reuters
Stefan Wermuth / Reuters

Eslovena do biatlo é único caso de doping dos Jogos de 2010 em reanálise

Teja Gregorin não foi medalhista em Vancouver, mas conquistou bronze na Olimpíada seguinte, em Sochi

Estadão Conteúdo

26 Outubro 2017 | 10h42

Uma competidora eslovena do biatlo foi o único caso de doping descoberto na reanálise das amostras dos exames antidoping realizados nos Jogos Olímpicos de Vancouver, no Canadá, em 2010.

+ ‘Se estiver bem, vou tentar disputar os Jogos Olímpicos de 2020’, diz Cesar Cielo

A União Internacional de Biatlo anunciou nesta quinta-feira que as duas amostras da eslovena Teja Gregorin testaram positivo para a substância proibida GHRP-2, que estimula o corpo a produzir mais hormônio de crescimento. A mesma substância foi utilizada por três atletas do levantamento de peso da China que foram campeões na Olimpíada de Pequim, em 2008.

Gregorin participou de quatro eventos nos Jogos de Inverno de 2010, mas não conquistou nenhuma medalha. Quatro anos depois, na Olimpíada de Sochi, ela faturou o bronze na corrida de perseguição do biatlo.

O Comitê Olímpico Internacional havia anunciado no início deste mês que apenas um atleta havia testado positivo na reavaliação das 1.195 amostras de exames antidoping dos Jogos Olímpicos de Vancouver, que utilizou tecnologia mais avançado do que a disponível quando o evento foi realizado em 2010. Agora, então, a identidade do competidor foi revelada.

Mais conteúdo sobre:
Doping Olimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.