1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Federação de Handebol impede homenagem a movimento LGBT

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 14h 11

Tobias Karlsson atuava com a braçadeira nas cores do arco-íris

A Federação Sueca de Handebol (SHF) impediu que o capitão seleção nacional continue homenageando o movimento LGBT nas partidas do país. Tobias Karlsson vinha atuando com a braçadeira com as cores do arco-íris, símbolo de apoio a lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros, mas a entidade proibiu.

Karlsson atuou com a braçadeira nas partidas preparatórias da Suécia para a Eurocopa deste ano, na Polônia, mas a federação informou que o impediu de utilizá-la no torneio porque ela conta com outras cores que não o azul e amarelo presentes na bandeira do país. "A faixa de capitão é considerada parte do equipamento e, por isso, deve estar uniforme. Deve ser só de uma cor ou das cores nacionais da equipe."

Karlsson atuou com a braçadeira nas partidas preparatórias da Suécia para a Eurocopa

Karlsson atuou com a braçadeira nas partidas preparatórias da Suécia para a Eurocopa

Medalha de prata com a Suécia nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, Karlsson foi embaixador dos Jogos Europeus LGBT no ano passado. Além dele, Bjarthe Myrhol e Gudjon Valur Sigurdsson, capitães da Noruega e da Islândia, respectivamente, utilizam a faixa com as cores do arco-íris. O sueco lamentou a decisão da federação de seu país.

"Eu acho triste que a federação nos proíba de mostrar que apoiamos os termos da liberdade, compaixão e igualdade", declarou ao site da própria entidade. "O fato de haver outras pessoas que apreciaram a braçadeira e quiseram usá-la mostra ainda mais que é uma mensagem importante."

Até o técnico da seleção, Lasse Tjernberg, se mostrou favorável à atitude de Karlsson, mas preferiu não atacar a entidade. "Para nós, era óbvio apoiar Tobias em seu desejo de usar a braçadeira. A federação tem a atitude de que todas as pessoas são iguais, não importando o gênero, a origem étnica, a sexualidade ou religião. Estamos abertos para receber todo mundo."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX