1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Fifa condena violência e garante que torcedor estará protegido em Copa

Jamil Chade - correspondente - O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2014 | 11h 33

Manifestações contra a realização do Mundial no País marcaram o final de semana em diversas capitais

GENEBRA - A Fifa condena a violência nas manifestações no último fim de semana e afirma que está "confiante" de que o plano de segurança que o governo brasileiro desenvolveu vai funcionar durante a Copa do Mundo e que os torcedores estarão protegidos.

Em uma declaração realizada nesta segunda-feira, a entidade máxima do futebol comentou os protestos do último sábado, e que levou a presidente Dilma Rousseff a convocar uma reunião de emergência.

"A Fifa respeita totalmente o direito de as pessoas protestarem de forma pacífica, sempre que os direitos dos demais também sejam respeitados", disse a entidade. "Mas condenamos qualquer forma de violência", alertou.

"Estamos confiantes de que o conceito de segurança adotado pelas autoridades brasileiras vai garantir a segurança de torcedores, delegações e imprensa", indicou.

De acordo com a Fifa, esse modelo "funcionou bem" durante a Copa das Confederações e está baseado em uma estratégia que já foi usada e testada com sucesso em outras Copas.

Preocupação - Se publicamente a Fifa se diz "confiante", membros da entidade responsáveis pela segurança confessaram ao Estado já na semana passada que consideram as manifestações no Brasil como "uma séria ameaça" para a Copa.

Tanto o governo quanto a Fifa já trabalham com o cenário de que essas manifestações vão se repetir na Copa. Em Zurique, a entidade vem adotando uma estratégia de mostrar que a Copa pode ter seu lado social, num projeto anunciado ao lado da presidente Dilma Rousseff. A iniciativa envolve ações para combater racismo, incentivar o futebol feminino e promover a paz.

Questionado pelo Estado em Davos no fim de semana, a ministra Helena Chagas, chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, admitiu que "não sabia" dos detalhes sobre como esse plano será adotado. Mas indicou que, para promover a paz, uma pomba seria solta em cada jogo.

Copa 2014