Gol relâmpago do México estraçalha estratégia de Mano Menezes

Técnico avalia que o gol sofrido com menos de um minuto obrigou o time a atacar muito

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2012 | 03h04

LONDRES - O técnico Mano Menezes está certo de que o gol mexicano antes do primeiro minuto mudou o curso da história. Rafael, do Manchester United, cometeu a falha ao errar um passe que resultou no tento de Peralta.

"Estrategicamente, o gol mudou as ideias que tínhamos para esse jogo", argumentou. "Com 30 minutos, tivemos de fazer uma substituição (Hulk no lugar de Alex Sandro) porque precisávamos ser mais fortes no ataque e o México estava bem fechado e apostava nos contra-ataques."

O treinador evitou individualizar a responsabilidade pelo resultado. "Não dá para ignorar a falha individual, mas ela ocorreu com 30 segundos. Tivemos todo o resto da partida para reagir e não conseguimos. A derrota não aconteceu por causa da falha."

Os jogadores seguiram a mesma linha. "Não digo que o Rafael tenha ficado chateado pelo gol, mas pela derrota. Isso é uma coisa que faz parte do futebol, se ninguém errasse todo jogo acabaria 0 a 0", disse Thiago Silva.

Logo após o lance, Rafael teve uma forte discussão com o zagueiro Juan. "Isso é algo que acontece. Eu havia acabado de roubar a bola e passei para o Rafael, e ele teve a infelicidade de perdê-la. Houve uma discussão, sim, mas tudo coisa de jogo. Depois eu pedi desculpas, ele pediu para mim e ficou tudo certo.

Mano contou que o ambiente após a partida estava péssimo. "Obviamente a derrota torna o ambiente pesado, e os próximos dias serão duros", falou ele, que lamentou o amistoso contra a Suécia, quarta-feira, em Estocolmo. "Penso que essa data deveria ser excluída. Quem ganha quer comemorar e quem perde não quer jogar."

Balanço positivo. Mano disse que o balanço da participação da seleção nos Jogos é positivo, apesar da derrota. E garantiu que não vai se abalar nem um pouco com a avalanche de críticas. O ex-atacante Romário, atualmente deputado federal e comentarista, por exemplo, já tratou de avacalhar o treinador e colocar nele a culpa pela derrota.

"O técnico sempre sofre mais, é normal. No Brasil, até mesmo quando a seleção ganha o treinador não é muito elogiado, imagine quando perde a decisão da Olimpíada."/M.S.A

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.