1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Goleiro do Brasil de handebol é alvo de racismo na Espanha

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 19h 40

César Augusto Oliveira de Almeida, o Bombom, é xingado por torcedores do Ángel Ximénez Puente Genil

O goleiro da seleção brasileira masculina de handebol, César Augusto Oliveira de Almeida, mais conhecido como Bombom, voltou a ser alvo de ofensas racistas. No fim de semana, ele foi xingado por torcedores do Ángel Ximénez Puente Genil quando defendia o seu time, o Fraikin BM. Granollers, fora de casa, em jogo do campeonato local.

As ofensas que vinham das arquibancadas chegaram a interromper a partida por alguns minutos. O episódio causou revolta na Associação de Clubes Espanhóis de Handebol (Asobal, na sigla em espanhol), que reprovou a torcida do Puente Genil, em comunicado oficial.

"A Asobal gostaria de destacar a forte condenação e categoria rejeição a qualquer forma de discriminação em competições, seja por motivos de raça, religião, sexo, orientação sexual ou de qualquer outra forma", declarou a entidade.

Bombom é goleiro da seleção masculina de handebol
Bombom é goleiro da seleção masculina de handebol

A diretoria do clube Ángel Ximénez Puente Genil também repudiou o episódio. "O corpo diretivo do Ángel Ximénez Puente Genil lamenta o episódio vivido sábado passado durante a partida contra o Fraikin BM. Granollers. O clube pede desculpas a César Augusto Oliveira de Almeida. Compreendemos sua indignação diante deste tipo de comportamento, os quais condenamos de maneira enérgica." O clube prometeu proibir a entrada do torcedor nas próximas partidas da equipe.

Não é a primeira vez que o goleiro da seleção, campeão pan-americano em 2015, sofre com preconceito racial. Há dois anos, ele também foi ofendido pela torcida rival durante um jogo da liga local. Na época, defendia o BM Guadalajara, que disputa a mesma competição.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX