Gustavo Borges ainda é a esperança

Gustavo Borges, aos 29 anos e sem um sucessor na natação brasileira, ainda é o principal candidato à medalha na equipe do País que segue nesta quarta-feira para disputar o 6º Mundial de Piscina Curta (25 metros) em Moscou, no período de 3 a 7 de abril. Ele vai competir nos 100 e 200 metros, livre, mas também são boas as chances de pódio do revezamento 4 x 100 m, livre, com Gustavo mais Rodrigo Castro, Carlos Jayme e André Cordeiro. O veterano Rogério Romero, de 32 anos, também tem qualidade para chegar à final, entre os oito melhores do mundo, e trazer medalha nos 200 m, costas. Mas o Brasil não pode esperar muito mais, mesmo levando 25 nadadores para a Rússia, a terceira maior delegação do Mundial, que terá atletas de 102 países. De resto, é esperar boas surpresas de nadadores como Nicholas dos Santos, nos 50 m, livre, e Fernando Torres Alves, nos 50 m, borboleta - provas curtas e rápidas que permitem resultados inesperados. Kaio Márcio Almeida, de 18 anos, que tinha índice nos 200 m, borboleta, contraiu uma virose e não viaja. Assim, o caçula da delegação é Caio Moretzshon, de 19 anos, especialista no estilo medley, que já deu ao Brasil uma medalha, a prata na Olimpíada de Los Angeles, em 1984, com Ricardo Prado. Caio quer melhorar a marca pessoal para os 200 m, medley (2min01s19), e, com isso, derrubar o recorde sul-americano (2min00s93), de 1990. Caio conhece Ricardo Prado, mas nunca o viu nadar. "Ele é um bom técnico, uma pessoa fantástica."

Agencia Estado,

26 Março 2002 | 18h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.