Joanna Maranhão e Jhennifer Conceição batem recorde sul-americano no Maria Lenk

Outros sete atletas ficaram entre os cinco melhores tempos da temporada

Estadão Conteúdo

04 Maio 2017 | 22h06

As finais do terceiro dia do Troféu Maria Lenk, nesta quinta-feira, no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio, tiveram dois recordes sul-americanos femininos, com Jhennifer Conceição e Joanna Maranhão, e sete atletas entre os cinco melhores do mundo nesta temporada: Jhennifer, Etiene Medeiros, Guilherme Guido, Gabriel Santos, João Gomes Júnior, Felipe Lima e Leonardo de Deus.

O recorde sul-americano dos 50 metros peito (30s81), de Tatiane Sakemi e que já durava desde 2009, foi derrubado por Jhennifer Conceição, do Pinheiros-SP, que fez 30s63. O tempo é o quinto do ranking mundial da prova em 2017. "Essa era uma marca que eu queria há muito tempo. Minha melhor marca antes era 31s08 e depois o 31s04 das eliminatórias de hoje (quinta-feira) de manhã. Eu trabalhei muito para baixar dos 31s e estou muito orgulhosa de tudo o que eu fiz até agora", disse a nadadora.

Joanna Maranhão, da Unisanta-SP, foi o segundo recorde continental da noite. Ela nadou os 200 metros borboleta em 2min09s22 e superou a própria marca feita em 2015 de 2min09s38. "Incrível e é uma competição acumulativa, com muita prova, mas eu tenho um condicionamento muito bom. Sou a primeira a chegar e a última a sair porque eu estou fazendo muita ativação antes de cair n´água e muita recuperação depois. Estou com 31 anos. O carro não é zero, então tem que tomar mais cuidado do que antes. E amanhã (sexta-feira) é a prova mais dura, os 400 metros medley. Vou fazer uma recuperação muito grande de manhã pra conseguir nadar tranquila", explicou.

Entre os homens, João Gomes Júnior, do Pinheiros, bateu o recorde de campeonato com a marca de 26s83 nos 50 metros peito. O tempo anterior era de Felipe França, de 26s87 em 2012. A marca de João é a segunda do mundo - só perde para os 26s48 do britânico Adam Peaty.

"Já venho há um tempo querendo entrar na casa destes 26s, mas hoje (quinta-feira) saio feliz desta competição. Creio que sendo convocado para o Mundial, eu vou nadar essa prova lá. Hoje acertei o máximo de coisas que eu podia acertar, mas tem uns detalhes ainda para corrigir e creio que vai melhorar. O ano passado eu fiquei poucos centésimos da medalha mundial e olímpica e isso é o que está me motivando", disse João Gomes Júnior.

Leonardo de Deus, agora nadando pela Unisanta, vibrou muito por ter finalmente conseguido baixar seu tempo da casa dos 1min55s nos 200 metros borboleta. O tempo de 1min54s91 o coloca como quarto no ranking mundial do ano.

"Eu estou muito feliz porque fazia muito tempo em que estava buscando esse tempo de 1min54s. Estou vivendo um ano muito mágico, com muitas coisas boas. Estou muito mais perto dos meus pais, vou casar, mudei de clube. Foram cinco meses de mudanças, mas mudanças muito produtivas na minha carreira. Agora com duas Olimpíadas. Vim de uma Olimpíada frustrante. Esse tempo ficaria entre o quinto e sexto para a final. O objetivo principal era classificar para o Mundial", afirmou Leo.

Nas provas do estilo costas, tanto Etiene Medeiros quanto Guilherme Guido, os vencedores nos dois gêneros, estão bem no ranking mundial. Etiene marcou 27s62, tempo que é o quinto melhor tempo da lista da Federação Internacional de Natação (Fina). Guilherme Guido, com 24s72, é o quarto.

Guilherme Guido disse que está usando a prova de 50 metros para treinar a passagem mais rápida nos 100 metros costas, pois não está visando os 50 metros costas. Seu objetivo a partir de agora são provas olímpicas. "Eu acho que quando você passa por uma coisa difícil, tem que bolar a melhor estratégia. Então abri mão dos 100 metros livre. Não me sinto nos meus 100%, mas é uma oportunidade única e tenho que me superar. Tenho que tentar me recuperar pra chegar sábado bem", explicou.

Mais conteúdo sobre:
Natação natação Joanna Maranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.