Materazzi revela ofensas a Zidane

Zagueiro italiano conta, pela 1.ª vez, ter xingado a irmã do francês, pouco antes da cabeçada, na final da Copa

O Estadao de S.Paulo

31 Dezembro 1969 | 21h00

Materazzi finalmente abriu o jogo e revelou o insulto ao meia Zinedine Zidane, na final da Copa do Mundo de 2006, que provocou a famosa cabeçada e em seguida a expulsão do craque francês. Foi em entrevista a uma revista italiana. "Prefiro a p... de sua irmã", disse o zagueiro, após ter empurrado e puxado o adversário, que no lance lhe perguntou se ele queria a sua camisa depois do jogo. A frase, revelada ontem, está em uma das páginas da biografia de Materazzi, que deverá ser distribuída no fim do mês. "A frase está na página 21 da minha autobiografia", afirmou. "Mas só vou falar sobre o livro no dia 30, quando ele será apresentado." Zidane acertou uma cabeçada no peito de Materazzi a dez minutos do final do jogo entre Itália e França, que estava empatado por 1 a 1, na prorrogação. O árbitro argentino Horacio Elizondo expulsou o francês. Nos pênaltis, depois da prorrogação, a Itália foi a vencedora e Materazzi fez uma das cobranças bem-sucedidas. O italiano, depois punido com suspensão por dois jogos, pediu desculpas a Zidane, que encerrou a carreira naquele jogo e foi eleito o melhor do mundo pela Fifa em 2006. APERITIVOS Itália e Espanha têm os mais badalados campeonatos nacionais da Europa. Como charme adicional, costumam iniciar suas respectivas competições depois da largada em centros importantes como Alemanha, Inglaterra, Portugal e França. A tradição está mantida: a largada de ambos será no sábado. Os aperitivos serão servidos hoje, com a disputa da Supercopa, tira-teima entre campeão da Série A e da Copa nacional. No caso da Itália, a briga ocorre entre Inter e Roma, em Milão. Na Espanha, enfrentam-se Real Madrid e Sevilla, no Santiago Bernabéu, em Madri. O duelo espanhol já teve etapa anterior, vencida pelo Sevilla por 1 a 0. O Real só fica com a primeira taça oficial da nova temporada com vitória por dois gols de diferença, em jogo que a ESPN mostra às 17 horas. Já há pressão sobre os campeões por conta das cinco derrotas que o time sofreu na pré-temporada, agora sob a direção do alemão Bernd Schuster. "Não há problema algum", desdenha o zagueiro italiano Fabio Cannavaro. "Estamos em início de trabalho, com um treinador novo. É preciso algum tempo para assimilarmos seus métodos." O Real Madrid foi ao ataque, antes mesmo do jogo. Segundo a Rádio Marca, o clube oferece 37 milhões mais Cicinho para ficar com Daniel Alves e Antonio Puerta. O Sevilla diz que ignora a proposta. REVANCHE O clássico em Milão tem gosto de desforra. As duas equipes disputaram a taça no ano passado e a Roma abriu vantagem de 3 a 0. A Inter reagiu, venceu por 4 a 3 e ficou com o troféu pelo segundo ano consecutivo. O técnico Roberto Mancini acredita na possibilidade de repetir a dose pela terceira vez. "A equipe está em boas condições e não enfrentamos nenhum problema mais grave", pondera. A Roma, ao contrário, não terá força total. O técnico Luciano Spaletti, porém, poderá escalar os brasileiros Doni, Mancini e Taddei. O jogo terá transmissão da ESPN Brasil, às 15h45.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.