Maurren salta melhor marca do ano

A saltadora Maurren Higa Maggi, de 25 anos, fora das provas da temporada em pista coberta (ficou doente no dia em que embarcaria para a Europa), mostrou, neste domingo, que está bem para enfrentar os meetings internacionais do calendário de provas ao ar livre. Maurren fez a melhor marca mundial do ano no salto em distância, com 7,01 metros ? o recorde anterior era da australiana Bronwyn Thompson, do dia 7, com 7 m. Maurren ainda quebrou as marcas brasileira e sul-americana do salto triplo, sábado, ao saltar 14,21 m, 20 centímetros a mais que a marca de Luciana Alves dos Santos, de 2000. Os resultados foram obtidos no I Torneio da Federação Paulista de Atletismo, em São Caetano do Sul. Foi o terceiro recorde continental da atleta, que também detém as melhores marcas do salto em distância, com 7,26 m, e dos 100 m com barreiras, com 12s71. O principal objetivo da saltadora, segundo o técnico Nélio Moura, este ano será a Copa do Mundo de Madri, em setembro. ?Ela vai procurar competir nos torneios da Golden League e assegurar vaga na Copa. Para isso, tem de estar bem no ranking mundial, tanto de resultados quanto de pontos.? No torneio da Federação, além de Maurren, obtiveram índice para o Ibero-Americano, em maio, na Guatemala, Nélson Carlos Ferreira Jr. (7,74 m) e Jadel Gregório (7,68 m), no salto em distância ? os três são da BM&F, equipe treinada por Nélio Moura. Os outros índices foram de Eliana Renata da Silva, no salto em altura (1,80 m), Vicente Lenílson e Raphael Raymundo de Oliveira, nos 100 m, com 10s47 e 10s49, respectivamente. Outros quatro atletas fizeram índice para o Mundial Juvenil (até 19 anos), em julho, em Kingston, na Jamaica. No feminino, Thatiana Regina Ignácio obteve índice nos 100 m (11s72). No masculino, conseguiram índice Luiz Eduardo Ambrósio, nos 400 m (46s95), Thiago Jacinto Carahyba Dias, nos 110 m com barreiras (14s08) e Leonardo Elizário dos Santos, no salto triplo (15,67 m).

Agencia Estado,

10 Março 2002 | 19h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.