DAMIEN POULLENOT/WSL
DAMIEN POULLENOT/WSL

Mineirinho lidera o ‘Brazilian Storm’, em Saquarema, no Rio

Quarto colocado no Mundial, brasileiro quer aproveitar etapa em Saquarema para subir na classificação

Paulo Favero, Estadao Conteudo

08 Maio 2017 | 21h06

A previsão é de boas ondas para o início da etapa do Rio do Circuito Mundial do Surfe, em Saquarema. A quarta etapa da temporada, com janela prevista até o dia 20, contará com a presença de 11 brasileiros no masculino e duas atletas nacionais no feminino. A grande novidade está na mudança de praia. Se nos últimos anos o evento foi realizado na capital carioca, desta vez se deslocou para Saquarema, que tem um potencial de ondas bem melhor.

"Vai ser diferente. A gente estava bem acostumado naquele padrão do Rio, com a onda que tem de fazer isso ou aquilo, agora vamos para outro cenário. Será tudo novo e eu gosto bastante de lá", afirmou Adriano de Souza, o Mineirinho, melhor brasileiro no ranking da temporada. Ele ocupa a quarta posição, atrás apenas de John John Florence, Jordy Smith e Owen Wright. Como não poderia deixar de ser, sonha com o segundo título mundial.

"Se estou entre os cinco melhores do mundo, numa falha de alguém eu chego lá em cima e entro no trilho para ser campeão. No momento todos estão bem no campeonato, mas só rolaram três etapas e os três primeiros foram extremamente bem nos primeiros eventos. Eu sou o quarto e fui o mais regular depois deles. A etapa no Brasil é boa, tenho grande chance de ir bem, e vou aproveitar essa oportunidade de estar em casa e ter esse conforto ao meu lado para conquistar um bom resultado aqui", disse.

Mineirinho sabe que, depois de se sagrar campeão mundial em 2015, diminuiu um pouco o ritmo no ano seguinte e não teve um bom desempenho, ficando apenas na 11ª posição. "No ano passado cheguei ao Brasil em décimo no ranking, então a evolução aconteceu de um ano para cá pois agora estou em quarto. Tem muita coisa pela frente, tudo pode mudar, mas em 2017 eu estou muito mais dentro do evento, em conexão com o esporte, com os campeonatos, com a minha performance do que em comparação ao ano passado", comentou.

O surfista reconheceu que foi difícil manter o foco após chegar ao título mundial ganhando a etapa em Pipeline, no Havaí. "Foi um ano que foi de experiência de ter todo esse peso de ser campeão, de ter de dar entrevista, tem que fazer isso ou aquilo, sendo que realmente eu tinha que surfar. Agora não tenho essa pressão, quem está com ela é o John John, então me sinto muito mais livre e focado no que eu tenho de fazer", avisou.

Além de Mineirinho, o "Brazilian Storm" terá ainda Gabriel Medina, Filipe Toledo, Wiggolly Dantas, Jadson Andre, Caio Ibelli, Miguel Pupo, Ian Gouveia, Jessé Mendes, Yago Dora e Bino Lopes. No feminino, Silvana Lima e Tainá Hinckel são as representantes do País.

As maiores ausências são Italo Ferreira, que se machucou no início do ano e ainda não está totalmente recuperado para competir, e o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater, com dores lombares. Já Medina conseguiu melhorar de sua lesão no joelho e está confirmado para a disputa.

Mais conteúdo sobre:
Surfe surfe Sandro Dias Gabriel Medina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.