Daniel Zappe / CPB / MPIX
Daniel Zappe / CPB / MPIX

Minotauro é apresentado como embaixador paralímpico: 'Estarei em Tóquio'

Lutador é muito famoso no Japão, sede da próxima Paralimpíada

Paulo Favero, Estadão Conteúdo

01 Março 2018 | 12h02

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciou nesta quinta-feira, em evento no seu centro de treinamento, o ex-lutador de MMA Rodrigo Minotauro como o mais novo integrante do projeto Embaixador Paralímpico. A entidade também apresentou a nova fase de uma campanha que busca diferenciar deficiência de incapacidade.

+ Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio já têm as suas mascotes

+ Atleta paralímpica faz campanha para encontrar perna ortopédica roubada

"Vou estar com vocês nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, motivando o time, porque sei que todos são capazes. O vídeo da vitória do Alan Fontelles nos Jogos de Londres, em 2012, eu usei muito para motivar meus atletas por um bom tempo. Aquilo é impressionante", revelou Minotauro, que foi bastante tietado por todos os presentes.

Minotauro é um dos maiores ídolos esportivos no Japão, onde serão realizados os Jogos Paralímpicos em 2020. Ele fez fama no MMA lá disputando o Pride, um evento que lotava estádios e ginásios em Tóquio, Saitama e Yokohama, entre outros lugares. Além disso, o lutador tem uma história de vida de superação. Quando criança, foi atropelado por um caminhão. "Tive problemas de lesões na minha vida", afirmou.

O evento em São Paulo contou com a presença de dezenas de atletas paralímpicos, que reforçaram o mote da campanha, que foi lançada em dezembro de 2014 com a ideia de passar uma mensagem positiva para a sociedade, mostrando como barreiras podem ser quebradas. "A deficiência é somente uma limitação, um obstáculo como tantos outros", disse Mizael Conrado, presidente do CPB.

A fase 2 do vídeo "Mude o Impossível" será exibida em cerca de 260 salas de cinema do Grupo Kinoplex e nas redes sociais do CPB. "Queremos mostrar que por trás de todo grande atleta existe um grande cidadão. Se um atleta pode conquistar o mundo, porque ele não pode trabalhar numa empresa, conviver em sociedade?", continuou Mizael. Ele lembrou ainda que o comitê criou um projeto para trabalhar esporte paralímpico com 350 crianças de escolas.

Com cinco pódios paralímpicos na carreira, Yohansson do Nascimento participou de um dos vídeos do "Mude o Impossível". E se emocionou ao falar do assunto. "Eu nasci sem as duas mãos, não sei quantas pessoas falaram que eu não conseguiria nada. Uma vez uma mulher falou para minha mãe que eu iria pedir esmola quando crescesse. Mas eu mudei o impossível, mostrando para essas pessoas que eu não nasci sem sorte, mostrei que eu posso ser o melhor do mundo no que eu faço", comentou.

Minotauro vai se juntar a outras personalidades que ajudam a melhorar a visibilidade do movimento paralímpico no Brasil, como os apresentadores Rodrigo Hilbert e Fernanda Lima, o ex-piloto Emerson Fittipaldi, os atores Cléo Pires e Paulo Vilhena, os ex-atletas Flávio Canto, Gustavo Kuerten e Ronaldinho Gaúcho, o senador Romário e os empresários Luis Severiano Ribeiro, Nizan Guanaes e José Victor Oliva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.