Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

No Palmeiras, reforço antes do dia 21 só se for de graça

Dificilmente o clube contratará alguém antes das eleições para presidente

DANIEL AKSTEIN BATISTA, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2012 | 02h04

SÃO PAULO -O presidente do Palmeiras Arnaldo Tirone já havia avisado que seria muito difícil fechar com algum reforço para 2013 ainda este ano, mas o quadro é ainda pior e dificilmente o clube contratará antes da eleição presidencial marcada para o dia 21 de janeiro. Como agora o departamento de futebol precisa do aval do Conselho de Orientação Fiscal (COF) para qualquer contratação, muita gente no clube já imagina que o técnico Gilson Kleina pode começar o Campeonato Paulista sem muitas novidades.

O presidente do COF, Alberto Strufaldi, afirmou que o órgão não pretende atrapalhar o Palmeiras, mas que é preciso bom senso à diretoria neste difícil momento financeiro. "Desde que tenha recursos, não vamos inviabilizar nenhuma contratação", disse, lembrando que Tirone está proibido de pedir mais empréstimos bancários por reforços. "Eventualmente podemos ter algum empresário que queira trazer um jogador." Strufaldi, no entanto, sabe que está difícil encontrar parceiros.

Assim, só poderão chegar atletas que venham a custo zero, como foi com Fernando Prass e Ayrton (o clube arcará apenas com o salário deles). A folha salarial foi bem enxugada com a dispensa de vários jogadores depois do Campeonato Brasileiro. "Não garantimos ninguém chegando antes do dia 21, mas sabemos que o futuro presidente vai trazer novos planos para o futebol."

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras, 2013, Série B

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.