No Rio, Vasco corre atrás da reabilitação no Brasileirão no jogo contra o Bahia

Vasco e Bahia se enfrentam pelo Campeonato Brasileiro às 11 horas deste domingo, no estádio de São Januário, no Rio, em um jogo de extremos. Enquanto o time carioca, que divide a última posição com o Sport, tenta apagar o vexame da estreia, quando levou uma goleada do Palmeiras por 4 a 0, o Bahia tenta manter a liderança da competição, depois de derrotar na estreia o Atlético Paranaense também por goleada: 6 a 2.

Fábio Grellet, Estadao Conteudo

21 Maio 2017 | 06h54

O técnico do Vasco, Milton Mendes, já anunciou que fará duas mudanças, uma na zaga e outra no meio de campo, para a estreia em casa - o primeiro jogo foi em São Paulo. Embora não tenha citado nomes, as prováveis mudanças são a entrada de Paulão ou Breno no lugar do zagueiro Jomar, que cometeu dois pênaltis na partida de estreia, e a saída do meia Nenê, que deve ser substituído por Guilherme Costa.

Considerado o principal jogador da equipe, Nenê não tem jogado bem desde o início do ano e por isso deve dar lugar a um jogador mais jovem, capaz de dar mais velocidade à equipe. "O treinador não muda de um jogo para o outro. Junta opiniões e vai amadurecendo. Isso faz com que a gente analise. A decisão mais difícil foi em cima de rendimento. A equipe estava perdendo um pouco de velocidade. Espero que entenda. Vem de uma baixa de rendimento recente. Chegamos a uma conclusão", afirmou o técnico Mendes, sem citar o nome de Nenê.

Sobre a substituição de Jomar, Milton Mendes afirmou que "um dos dois" vai jogar, referindo-se a Breno e Paulão. Pela sequência de treinos, é mais provável que Paulão comece jogando. Apesar das falhas de Jomar na estreia, o técnico não atribuiu a substituição ao desempenho dele nesta partida. "Não é nada pelo último jogo, mas é para procurar situações novas, dar mais velocidade. Algumas nuances são importantes. É o momento certo. Vamos ver como reagem. Estou bastante feliz com Breno e Paulão. Com a chegada dos zagueiros, nosso leque de opções aumenta. Só tínhamos o Rafael, Jomar e Ricardo, do sub-20", afirmou.

O técnico vascaíno afirmou que, apesar da estreia decepcionante, espera o apoio da torcida. "O torcedor é fundamental. Se tiver que se posicionar, que seja depois do jogo. Eles não conseguem imaginar o quanto são importantes. É como se estivéssemos criticando a nós mesmos. Espero que venham para nos apoiar. Quando se tem 90 minutos, o gol pode sair no primeiro ou no último. Tem que apoiar do início ao fim. Depois do jogo se posiciona. Tenho visto a torcida vascaína apaixonada", disse.

Mais conteúdo sobre:
futebol Vasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.