Andy Rain/EFE
Andy Rain/EFE

Para Neymar, 'chance única do ouro' foi desperdiçada

Perdedor dos Jogos, atacante terá de conviver com o estigma de ser decisivo só em seu clube

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2012 | 03h03

Nenhum jogador da seleção brasileira tinha tanto a perder ontem quanto Neymar. Em caso de vitória, ele seria coroado como o grande responsável pelo fim do jejum do Brasil em Olimpíadas, mas com derrota ele seria o jogador mais visado pelos críticos. E foi o que aconteceu.

O craque do Santos viveu no Estádio Wembley uma das maiores decepções de sua carreira, especialmente porque vai continuar carregando a pecha de ser um jogador que só brilha pelo seu clube, nunca pela seleção.

Quando teve a tarefa de encarar os jornalistas depois da partida, Neymar começou usando o velho discurso de que ficou feliz por ter conseguido levar uma medalha para o Brasil, mesmo que seja de prata. Não demorou, no entanto, para abaixar a guarda e colocar para fora a decepção.

"Era uma chance única para todos", lamentou Neymar. "Quase ninguém que está aqui terá idade para disputar uma Olimpíada de novo, então perdemos a nossa chance de ganhar o ouro", falou ele, para logo depois deixar claro que tem o desejo de disputar pelo menos mais uma edição dos Jogos.

Distante de 2014.Nem mesmo quando teve de responder a uma pergunta sobre as consequências que a derrota de ontem provocará na preparação para a Copa do Mundo de 2014 o jogador esqueceu a decepção que sentia. Com bastante sinceridade, Neymar deixou claro que em um momento como este ninguém é capaz de pensar em um objetivo tão distante.

"O ano de 2014 está muito longe, muita coisa pode acontecer até lá. A gente tinha mesmo era de aproveitar o momento e conquistar o ouro aqui, mas infelizmente não foi possível."

Assim como havia acontecido no amistoso contra o México disputado em junho (que também terminou 2 a 0 para os mexicanos), Neymar e seus companheiros de ataque foram anulados ontem pela defesa adversária. E o atacante santista não consegue entender como esse raio caiu duas vezes no mesmo lugar.

"Não sei o que aconteceu, são coisas do futebol. Começar perdendo é muito ruim, a gente conseguiu virar os jogos contra Honduras e contra a Bielorrússia, mas desta vez não deu. Virar a partida na decisão do campeonato é sempre mais difícil", falou Neymar, que agora terá de encontrar forças para disputar o amistoso contra a Suécia, na quarta-feira, em Estocolmo.

"Jogar com vitória é melhor, com derrota é triste. Os jogadores estão chateados, no vestiário ninguém falava nada, era possível ouvir um mosquito. Mas vamos tentar honrar a camisa da seleção brasileira."/M.S.A

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.