Ponte Preta leva motivação como arma diante do favorito Botafogo no Rio

Motivada pela goleada sobre o Sport por 4 a 0 na estreia, a Ponte Preta espera pontuar diante do Botafogo, neste domingo, às 18 horas, no estádio do Engenhão, no Rio. Focada no Campeonato Brasileiro, o vice-campeão paulista entra na segunda rodada disposto a pontuar, mesmo atuando longe de sua torcida e diante de um adversário com moral elevado após garantir vaga nas oitavas de final da Copa Libertadores.

Estadao Conteudo

21 Maio 2017 | 08h50

"Mantemos o respeito ao Botafogo como a qualquer adversário. Mas temos que impor nosso ritmo. É o que vamos tentar fazer porque sabemos que estes três pontos são iguais em todas as outras 36 rodadas que ainda vamos disputar", explicou o técnico Gilson Kleina.

O treinador dá ao time carioca a condição de favorito, mas alerta que a Ponte Preta "sempre joga para vencer e tem se tornado um time muito forte no conjunto". Por isso mesmo, Gilson Kleina mantém a sua filosofia de evitar muitas mudanças a cada rodada.

Uma troca, porém, é obrigatória. Clayson, que marcou dois gols diante do Sport, se transferiu para o Corinthians e seu substituto pode ser o jovem Yuri, que marcou nove gols na Copa São Paulo de Futebol Júnior. "Ele (Yuri) é uma opção mais de área, que fica na frente dos zagueiros. A outra alternativa é o próprio Lins, que tem mais velocidade e atua pelos cantos do campo", explicou o técnico, lembrando que treinou as duas formas.

O provável mesmo é a entrada de Yuri no ataque e a volta do volante Fernando Bob no meio de campo no lugar de Naldo. O capitão foi poupado no primeiro jogo pelo desgaste dos jogos, mas já está totalmente recuperado. A comissão técnica desconsidera o interesse do São Paulo no atleta, que tem vínculo com o Internacional.

Os treinos da semana foram fechados. Só o recreativo neste sábado foi aberto à imprensa, mas logo em seguida a delegação seguiu para o Rio. A novidade no banco de reservas vai ser o experiente zagueiro Rodrigo, de 36 anos, ex-Vasco.

O atacante Emerson Sheik ainda precisa de uns dias de condicionamento físico para ser opção. O meia Renato Cajá também está se recuperando. Ele teve uma fribrose muscular após lesão sofrida nas semifinais do Campeonato Paulista contra o Palmeiras. Desde então, está fora dos planos. Uma perda muito sentida. Afinal ele foi contratado com o status de estrela junto ao Bahia.

Mais conteúdo sobre:
futebol Ponte Preta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.