Popó luta com irmão e visita a Febem

Foi uma festa em família antes do início do treinamento para mais um combate válido por título mundial. Acelino "Popó" Freitas participou de uma luta-exibição em São Caetano, sábado à noite. Fez três rounds contra o irmão Luiz Cláudio e deixou emocionados os pais Zuleika e Nijalma, que acompanharam o evento. Popó foi a estrela principal de um evento beneficente, que teve vitórias de duas das maiores promessas do boxe nacional: Valdemir "Sertão" Pereira e Juliano Ramos. Mas o baiano campeão do mundo dominou as atenções. Fez uma luta-exibição contra seus sparrings, entre eles seu irmão mais velho Luiz Cláudio, que também foi lutador, participou da Olimpíada de Barcelona (1992) e abandonou recentemente a carreira. A "luta" acabou sendo conduzida pela mãe dos dois, dona Zuleika, que viu o evento e pedia para os filhos baterem menos quando os golpes ficavam mais fortes. No final, Popó recebeu um troféu de seu irmão e dedicou a ele o título mundial dos superpenas da Associação Mundial de Boxe, conquistado em janeiro, contra o cubano Joel Casamayor. "Ele (Luiz Cláudio) foi um grande lutador. Chegou à Olimpíada de Barcelona e sempre me ajudou muito. Na verdade, ele também é um campeão mundial", disse Popó, que foi às lágrimas com a homenagem. Com a bolsa que ganhou no combate contra Casamayor, Popó deu uma casa de presente ao irmão, em Salvador, repetindo o que já havia feito para os pais. Antes do evento, Popó revelou seus planos para o futuro. Ele vai repetir o programa de treinamento que usou antes da luta contra o cubano Joel Casamayor. No começo do mês que vem, ele vai embarcar para os Estados Unidos para fazer dois meses de concentração antes de seu próximo combate, contra o nigeriano Daniel Attah. A luta ainda não tem data nem local confirmado, mas deve acontecer no dia 1º de junho, nos Estados Unidos, provavelmente em Filadélfia. A data ainda depende de um acordo com a rede de tevê americana Showtime, que tem os direitos de transmissão do combate. Os empresários de Popó tentam fazer com que a data não coincida com os jogos do Brasil na Copa do Mundo. Se não for no primeiro dia de junho (dois dias antes da estréia brasileira contra a Turquia), a luta só será realizada em julho. "Independentemente da data, vou ficar dois meses concentrado nos Estados Unidos, treinando com meus sparrings e outros americanos", disse o pugilista baiano. Visita - Popó fez neste domingo a alegria de dezenas de internos de 15 a 18 anos, que cumprem pena por infração leve na unidade Tatuapé da Febem. A pedido dos menores, uma academia de boxe, que terá o campeão mundial dos superpenas como padrinho, será instalada no local. Os garotos rodearam o pugilista, que fez um discurso de incentivo ao esporte e à vida. Acompanhado dos pais e irmãos, ele falou sobre a importância da família na vida de cada um. Douglas, de 16 anos, agradeceu a Popó e pediu um autógrafo para sua irmã. "Adorei conhecer um campeão. Ele traz alegria para o Brasil." O grupo mostrou as atividades realizadas na Febem e presenteou o pugilista com um trabalho de dobraduras feito com papel sulfite. Os amigos Jeferson e Elias, de 17 anos, ficaram entusiamados com a visita e felizes com a aprovação das aulas de boxe pela diretoria. "Aqui nós nadamos, jogamos futebol, fazemos teatro. O boxe será outra boa atividade para praticar", diz Jeferson. Depois de conversar com o grupo, Popó foi conhecer o Centro de Esportes, onde está sendo montada a nova academia. Um ringue e quatro sacos de areia já estão instalados no salão destinado às aulas. O pugilista doou dois pares de luvas, que imediatamente foram estreadas por alguns garotos que o "desafiaram". Dimi, de 15 anos foi o primeiro a colocar um dos pares de luvas e subir no ringue para lutar. "Quero ser como ele, mas depois que eu sair daqui só o tempo vai me mostrar o que vou fazer." Jeferson, de 15 anos, gostou de treinar socos no saco de areia. "Vou participar da escolinha, quero ser campeão como o Popó." Segundo Maria Luiza Granado, presidente da Febem, o boxe é o esporte ideal para que os meninos descarreguem a agressividade. O ex-pugilista Servílio de Oliveira será o coordenador da academia. "Estamos selecionando profissionais para o treinamento, em breve poderemos instruir a molecada", contou Servílio. Os internos de todas as unidades da Febem, de qualquer idade, poderão participar da "peneira" que vai selecionar os que poderão praticar boxe: a exigência é que tenham bom comportamento e realmente queiram aprender o esporte. Nesta segunda-feira, Popó inaugura um projeto social em Alagados, bairro de Salvador, com apoio do governo baiano. Ele vai cuidar de uma oficina de boxe para 80 garotos e o volante Vampeta, do Corinthians, fará o mesmo em uma escolinha de futebol. Para valer - Antes da exibição de Popó, em São Caetano do Sul, dois dos mais promissores lutadores brasileiros venceram seus combates. O leve Juliano Ramos, de 22 anos, ganhou do experiente Manoel da Cruz por abandono no terceiro assalto. Foi a sexta vitória da carreira do lutador. Depois, o pena Valdemir "Sertão" Pereira derrotou o argentino Sérgio Rodrigues em sua estréia internacional, por nocaute no segundo assalto. "O argentino foi um lutador tinhoso e isso foi muito bom para o meu batismo internacional", disse Sertão. Servílio de Oliveira, que administra a carreira dos dois lutadores, está negociando com a Universum Boxing, empresa alemã que tem como maiores estrelas os irmãos ucranianos Vladimir e Vitali Klitschko. Há dez dias, Servílio viajou para Hamburgo para acompanhar uma luta de Vladimir pelo título mundial contra o sul-africano Frans Botha. Levou dois pugilistas brasileiros para lutar em combates preliminares e iniciou contatos para que Sertão e Juliano possam começar a fazer lutas na Europa. "Já tinha iniciado os contatos e agora levei uma fita com as lutas dos dois. Eles estavam querendo que ambos passassem a morar na Alemanha, mas achamos melhor que não. O ideal é que eles façam algumas lutas na Europa e outras no Brasil, mas continuem morando aqui", disse. Servílio pretende acelerar a carreira de Sertão, que já tem 27 anos. "Ele já está mais maduro que o Juliano, com mais experiência, e vai ser trabalhado para lutar pelo título brasileiro ainda este ano e tentar lutar pelo título mundial no ano que vem."

Agencia Estado,

24 Março 2002 | 21h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.