Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Rafael Silva é prata e Brasil volta da Turquia com duas medalhas

Baby perde a final para tunisiano Faicel Jaballah nas punições

Estadão Conteúdo

29 Março 2015 | 13h33

O Brasil levou seis de seus judocas titulares para o Grand Prix de Samsun, em busca de bons resultados, mas vai voltar a Turquia com apenas duas medalhas, ambas de prata, na bagagem. O início inconstante da seleção brasileira na temporada pré-olímpica foi reforçado neste domingo, quando só Rafael Silva chegou à disputa pela medalha, perdendo a final da categoria pesado para o tunisiano Faicel Jaballah.

Em cinco lutas, Rafael conseguiu aplicar apenas dois golpes, para vencer o russo Valkov e o ucraniano Khammo por ippon. Os demais confrontos foram decididos pelo número de punições. Na final, o brasileiro levou três, contra duas do tunisiano, quinto do ranking - o ''Baby'' é o segundo.

Os demais representantes do Brasil no GP de Samsun neste domingo foram mal. Em sua primeira competição desde o Mundial do ano passado, Tiago Camilo perdeu na segunda luta da chave até 90kg, para Tural Safguliyev, do Azerbaijão. O mesmo desempenho (uma vitória e uma derrota) teve Gustavo Assis, da mesma categoria.

O garoto Gabriel Souza, de 20 anos, perdeu na sua primeira luta internacional como adulto, sendo derrotado pelo belga Toma Nikiforov na estreia da categoria até 100kg. No peso pesado, David Moura perdeu na segunda luta, para Soslan Bostanov, da Rússia.

A delegação brasileira na Turquia contava, entre outros, com Sarah Menezes, Charles Chibana, Felipe Kitadai, Victor Penalber, Tiago Camilo e Rafael Silva, todos titulares da seleção - iriam à Olimpíada se ela fosse hoje. Só Rafael foi ao pódio, enquanto, dos demais, apenas Sarah Menezes chegou à disputa por medalhas em um torneio que teve a participação de poucos atletas de ponta.

No feminino, o Brasil só foi ao pódio com a jovem Nathália Brígida, prata na categoria até 48kg, de Sarah Menezes. Outra brasileira garantiu medalha na chave, a gaúcha Taciana Lima, de bronze, mas ela compete por Guiné-Bissau.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.