Rubens Approbato se mantém na presidência do STJD

A disputa pelo poder no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (SJTD) levou seus auditores, profissionais de renome no cenário brasileiro, a protagonizarem cenas vergonhosas nesta quinta-feira, na sede da entidade no Centro do Rio. Em sessão tumultuada, o presidente do órgão Rubens Approbato se manteve no cargo e rejeitou o pedido de convocar eleições majoritárias, feito por seis dos nove auditores. A decisão desencadeou protestos, além de trocas de acusações e ofensas entre os advogados. A briga pela presidência do STJD começou com a renúncia no ano passado do ex-presidente Luiz Zveiter, que não pôde mais acumular o cargo com o de desembargador do Tribunal de Justiça. Com o lugar vago, o grupo supostamente ligado ao presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, iniciou um movimento para tomar o poder e impedir qualquer influência do antigo comandante no órgão. O STJD é formado por nove auditores, destes, Caio César Vieira Rocha, Eduardo Machado Costa, Francisco Mussnich, José Mauro Couto, Paulo Valed Perry e Virgílio da Costa Val, estariam do lado do presidente da CBF. Os seis foram autores do pedido de novas eleições presidenciais rejeitado por Approbato, que ocupou o lugar de Zveiter e é considerado um de seus aliados. ?Com a saída do nobre e amigo desembargador Luiz Zveiter decidimos que o senhor ficaria no cargo interinamente e é um golpe o que está acontecendo agora?, protestou Mussnich, candidato a presidente, ao ouvir de Approbato sua decisão de permanecer no cargo, embasado em um artigo do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) - que determina a ocupação da presidência pelo auditor mais idoso do tribunal até o fim do mandato (neste caso, em 2008), caso ela fique vaga. Approbato reagiu às críticas de Mussnich: ?Se é para falar a verdade, vamos falar. O senhor me disse, chorando e me chamando de pai, durante um almoço que estava voltando atrás em sua decisão de me apoiar, por estar sendo coagido?. A fala do presidente do STJD fez com que Mussnich se retirasse por alguns minutos do plenário. ?Não posso ir contra a lei e convocar eleições. O CBJD diz que o auditor mais idoso deve ocupar a presidência e o mais idoso sou eu.? Com os ânimos menos tensos, depois de muita troca de ofensas, onde Approbato foi acusado de ?aproveitador? e de usar o CBJD a seu favor, o julgamento dos demais processos prosseguiu. Antes, Mussnich, Eduardo Costa e Paulo Valed Perry, já haviam tumultuado a sessão ao manifestarem seu descontentamento com o presidente do STJD, porque ele deu posse aos dois auditores representantes da Federação das Associações de Atletas Profissionais (Faap), Marcílio Krieger e Alexandre Quadros, sem lhes comunicar. ?Não posso desculpá-lo por sua falta de cortesia?, frisou Costa. Approbato explicou que adotou o procedimento, porque havia uma decisão judicial ordenando que a posse fosse feita imediatamente, o que ocorreu no final de abril.

Agencia Estado,

11 Maio 2006 | 18h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.