Sem vencer há sete partidas, Inter de Milão demite técnico Stefano Pioli

É a segunda troca de treinadores da Inter nesta temporada

Estadão Conteúdo

09 Maio 2017 | 18h50

Em meio a mais uma temporada para ser esquecida, a Inter de Milão anunciou nesta terça-feira a demissão de seu técnico. A diretoria do clube definiu a saída de Stefano Pioli dois dias depois da derrota por 1 a 0 para o Genoa, que completou a sétima partida consecutiva da equipe sem vitória.

A última vez que a Inter venceu foi ainda em março. No dia 12 daquele mês, o time parecia finalmente embalar após uma goleada arrasadora por 7 a 1 sobre a Atalanta, que sucedeu um triunfo também significativo de 5 a 1 sobre o Cagliari. De lá para cá, no entanto, inexplicavelmente a queda foi vertiginosa e culminou na saída de Pioli.

A demissão foi confirmada pelo clube através de comunicado oficial, em que agradecia "Stefano e sua equipe pela dedicação e o trabalho duro trazido ao clube pelos últimos seis meses, no que tem se provado ser uma temporada difícil".

Esta é a segunda troca de treinadores da Inter nesta temporada. Em novembro do ano passado, Pioli já havia substituído o holandês Frank de Boer após um péssimo início de trajetória. Agora, o italiano dará lugar a Stefano Vecchi, comandante da base que assumirá o time principal nas últimas três partidas da temporada.

Na Itália, nomes como os de Diego Simeone, do Atlético de Madrid, e Antonio Conte, do Chelsea, são apontados como sonhos da Inter, que estaria disposta a pagar caro por um técnico de peso. A mudança no comando também pode ser benéfica para o brasileiro Gabriel, que estava sem espaço com Pioli e via os rumores sobre um possível empréstimo para um time de menor expressão ganharem força.

Diante do péssimo momento na temporada e tendo conquistado somente dois pontos nas últimas sete partidas, a Inter tem 56 pontos, na sétima colocação da tabela do Campeonato Italiano, e ainda sonha com uma vaga na Liga Europa.

Mais conteúdo sobre:
Futebol futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.