Turistas brasileiros gastam bem para ver os Jogos

Venda independente de ingressos é permitida desde que pelo preço oficial, prevê a lei aprovada pela Grã-Bretanha para os Jogos.

ADRIANA CARRANCA , ENVIADA ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2012 | 03h04

Roberto Cardinalli pagou 2.500 libras, ou R$ 8 mil, por um único ingresso para assistir à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2012. De férias em Londres, ele assistirá ainda a 33 competições em diferentes esportes durante 16 dias na cidade. Milhares de brasileiros desembarcaram em Londres especialmente para a maratona esportiva.

"Era um sonho de infância presenciar a abertura de uma Olimpíada", diz o paulistano, dono de um restaurante no bairro de Perdizes. Ele conseguiu comprar o ingresso pela internet há três semanas. Era o último. "Só de ver de perto a rainha Elizabeth, valeu a pena. Foi uma noite absolutamente inesquecível", diz, sobre o espetáculo montado pelo diretor de cinema Danny Boyle, que fascinou os espectadores na noite de sexta-feira. "E, depois, ver o (Roger) Federer, a (Maria) Sharapova, todos esses atletas que a gente acompanha pela TV, é incrível. Acho que sou um atleta frustrado", diz o brasileiro que jogou vôlei e praticou ginástica olímpica na infância. Cardinalli economizou dinheiro durante 4 anos para a viagem a Londres. Calcula ter gasto R$ 15 mil somente com a compra de ingressos. Ele circula acompanhado de uma turma, o apelido "galera olímpica" estampado nas camisetas. A amiga Valéria Carneiro esteve em três olimpíadas, além de Londres: Sidney, Pequim e Atenas.

Ricardo Menezes, também paulistano, viajou com cinco amigos. Sozinho, gastou R$ 13 mil para assistir a competições de vôlei, natação e futebol, inclusive a final no Estádio de Wembley. O ingresso mais caro que comprou foi para ver César Cielo na água, na sexta-feira. Custou 300 libras ou quase R$ 1 mil.

O dentista Alexandre Pino, de 34 anos, e o advogado Tiago Neres, de 29, compraram 16 ingressos, ou todos os que estavam disponíveis online para o vôlei e a ginástica olímpica, aumentando as chances de ver o Brasil em pelo menos alguma das partidas. Os ingressos para a final da ginástica olímpica, a 900 libras ou quase R$ 3 mil cada, estão esgotados, mas eles tentarão comprar de outra pessoa na porta.

Como não é possível prever quem irá para as semifinais e finais, muitos visitantes, como Alexandre e Tiago, compraram mais ingressos do que as competições que seriam capazes de assistir. A venda independente de ingressos é permitida desde que pelo preço oficial, prevê a lei aprovada pela Grã-Bretanha para os Jogos. Os cambistas estão banidos. Ontem, quatro foram presos tentando vender ingressos acima do preço original na entrada da arena do vôlei de praia. A Scotland Yard também investiga a venda ilegal de ingressos vips distribuídos a delegações estrangeiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.