Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

'A situação do doping no Brasil é grave', diz ex-consultor internacional da ABCD

Médico português conta, pela primeira vez com detalhes, os bastidores dos confrontos entre o Ministério do Esporte, a ABCD e o COB às vésperas dos Jogos Olímpicos

Entrevista com

Luis Horta

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

06 Julho 2017 | 07h00

O Ministério do Esporte e o Comitê Olímpico do Brasil (COB) dificultaram o controle de doping de atletas do País às vésperas dos Jogos Olímpicos do Rio e "sufocaram" a operação de combate às irregularidades no esporte. As denúncias são feitas pelo médico português Luis Horta, que foi contratado como consultor internacional da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e que, antes dos Jogos, deixou o País.

Segundo ele, autoridades chegaram a exigir que os nomes dos atletas que seriam testados fossem revelados com antecipação para o Ministério do Esporte, assim como local e hora do exame, que deveria ser uma surpresa.

Um ano depois das polêmicas envolvendo o controle de doping no Brasil e vivendo hoje em Lisboa, Horta fala pela primeira vez sobre os detalhes do que ocorreu dentro do COB, do Ministério do Esporte e da ABCD, com manobras das autoridades federais para impedir a viagem de equipes de técnicos para colher amostras de atletas, e o confronto aberto com o COB. 

O médico também revela como, depois de treinar dezenas de técnicos para realizar os testes de doping na Rio-2016, os organizadores dos Jogos ignoraram os esforços feitos com dinheiro público e optaram por chamar "desconhecidos" para trabalhar no evento olímpico.

Horta, que em agosto do ano passado já havia soado o alerta sobre o COB e o governo, descreve agora, com detalhes, a atitude das autoridades brasileiras e relata como teve seu trabalho minado.

Doutor em medicina esportiva e professor universitário, Horta foi presidente da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) e presidente da Comissão de Laboratórios da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês). Em sua avaliação, o doping no Brasil é algo "gravíssimo" e o médico diz que decidiu expor os problemas no País justamente para "ajudar o esporte brasileiro". 

Como foi sua chegada ao Brasil e por qual motivo o senhor se envolveu com a operação de combate ao doping no País?

A ideia original surgiu de um convite de Marco Aurélio Klein (ex-secretário nacional para a ABCD). Em 2010, assinamos um acordo entre Brasil, Portugal e a WADA, na presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A partir dai, com Klein, ele fez sua formação inicial em Lisboa e depois, entre os conselhos que lhe dei, sugeri que, num país como o Brasil, com tantos conflitos de interesse, deveria recrutar pessoas com um perfil ético acima da média. Um ano mais tarde, ele formou sua equipe. Mas me disse que precisava que eu desse a formação a eles. A posição, portanto, que eu tinha era um contrato de consultor da Unesco para a ABCD para ajudar a desenvolver o programa antidopagem do Brasil.

E o que o senhor encontrou quando chegou ao Brasil?

Fiquei muito contente com a constatação das autoridades nacionais de que era preciso criar uma política de Estado contra a dopagem. Eu também ajudei a criar essa política de Estado em Portugal. Portanto, era algo que me agradou muito. O principal objetivo era o de criar um programa forte, independente e que não tivesse conflito de interesses para, acima de tudo, harmonizar o controle de dopagem. O combate já existia no Brasil. Mas era muito desarticulado. Iniciativas existiam. Mas não havia uma estratégia harmonizada. O que ainda me agradou muito era o investimento que o governo colocaria. Era muito dinheiro e surgiu a mesma questão que já tinha existido em Portugal, que era de se perguntar se investir nisso era a prioridade, diante de tantos problemas sociais que o País gastasse com isso. Era uma pergunta legitima. Muitas vezes eu ia ao meu trabalho em Portugal e passava pelo que vocês no Brasil chamam de favela. Todos os dias me colocava a questão: vivo num país com favelas e estamos gastando dinheiro com a luta contra a dopagem? Mas um dia entendi que essa luta não era apenas uma questão do esporte, principalmente quando vemos o problema do tráfico, o impacto para a saúde pública, a utilização por academias de ginástica.

E o que ocorreu quando o senhor chegou ao Brasil?

Nos dois primeiros anos, as coisas correram muito bem. No Brasil, assim como em Portugal, a burocracia é muito grande. Portanto, o início foi difícil. Mas tivemos uma grande ajuda da Casa Civil. Foi fundamental. As coisas pareciam caminhar. Criamos uma ferramenta para qualquer atleta saber se um medicamento tinha substâncias proibidas ou não. Montamos um programa muito bem elaborado, prevendo controles em competições e fora de competições, coleta de urina e sangue, o início do passaporte biológico. Criamos ainda o regime jurídico contra a dopagem, algo fundamental e que eu considero que o Código Brasileiro Antidopagem foi um dos legados que eu deixei no Brasil.

À medida que os Jogos Olímpicos do Rio iam se aproximando, como foi trabalho do senhor e da ABCD?

Alguns primeiros sinais de obstáculos aparecem antes mesmo da exoneração de Marco Aurélio Klein. E aparecem quando tivemos uma teleconferência com o COB, na qual o diretor executivo de Esportes, Marcus Vinícius Freire, dizia que não estava contente com a forma pela qual os testes fora de competição estavam ocorrendo. Ele dizia que estávamos fazendo controles demais e muitos atletas estavam registrando falhas. E isso estava trazendo muitos problemas na preparação dos atletas, até com risco de que acumulassem três falhas, com algum tipo de punição. Eu era o responsável dessa área e explicamos com muito cuidado ao COB qual era a estratégia, que ela estava de acordo com as melhores estratégias do mundo. Quando pensávamos que tudo estava resolvido, houve uma reunião no Rio de Janeiro na qual eu não fui. Era para tentar resolver a situação. Mas ela não correu nada bem.

O COB rechaça ter pressionado para reduzir o número de exames, o que já foi reconhecido pela ABCD.

Por que?

Marcus Vinícius Freire deixou a sala de reuniões, onde estava o então secretário nacional para a ABCD, em desacordo com o que era dito. Isso criou um grande mal-estar na ABCD. Depois disso, surgiram mensagens por escrito no celular de Marcus Vinícius Freire para Klein, onde ele foi muito deselegante comigo. Ele dizia que eu estava apenas para ficar bem com a Wada e que estava prejudicando o treinamento dos atletas.

E o que ocorreu depois desse mal-estar?

Era o momento da transição e o começo do novo governo (de Michel Temer). Quando entrou o novo governo e o novo responsável pelo Esporte, começamos a sentir que estavam colocando entraves logísticos para nossa operação.

De que forma?

Começamos a sentir que cada vez era mais difícil conseguir viagens para que os nossos oficiais de controle fizessem os testes em atletas. Tínhamos problemas também para transportar os nossos materiais. Sofríamos muitos atrasos. Fazíamos um plano de controle para uma semana e não conseguíamos cumprir por conta dos entraves logísticos. Chegou a um ponto que o Ministério do Esporte passou a exigir que, com o pedido de viagem, fosse anexado o local, o dia e a hora dos testes e o nome dos atletas. Ora, isso já diria tudo.

Ministério do Esporte nega ter ocorrido ingerência sobre exames e restrição a viagens.

E o que o senhor fez?

Eu já estava com dificuldades para dormir. Mas, um dia pela manhã, cheguei à decisão. Eu disse ao Marco Aurélio Klein que existia uma clara estratégia para sufocar o trabalho e a ABCD. Foi o que aconteceu. Dias depois, ele foi exonerado. Ele ficou sabendo inclusive por um jornalista. Klein jamais recebeu uma explicação sobre sua exoneração nem mesmo um agradecimento sobre o que ele tinha feito. Eu vi que, obviamente, fariam a mesma coisa comigo. Como eu já estava renovando meu contrato, decidi que iria voltar para Portugal.

E o que ocorreu com o controle do doping na Rio-2016?

Uma força tarefa havia sido criada para a Rio-2016, envolvendo o COI, a Wada, a Rio-2016 e a ABCD. Tivemos muitas reuniões para nos preparar e tudo parecia correr bem. Nossa estratégia era formar oficiais de controle de dopagem e de coleta de sangue para que fossem usados para os Jogos. Mas aí fomos confrontados por uma lista de pessoas que estariam presentes nos Jogos. Essa responsabilidade era, de fato, da Rio-2016. Quando olhamos a lista, descobrimos que a maioria das pessoas que tínhamos formado não estava incluída. Formamos 106 oficiais de controle e 23 oficiais de coleta de sangue. Nenhum desses 23 estava na lista da Rio-2016. Alguns dos oficiais incluídos até sabíamos quem eram. Alguns deles chegaram a trabalhar para a CBF durante a Copa do Mundo. Mas existiam muitos outros nomes dos quais não tínhamos conhecimento de quem eram. A ABCD tinha feito um rastreamento dos nomes de oficiais de controle que existiam no País e essas pessoas nem faziam parte desse mapeamento. Alguns dos indivíduos eram de determinados Estados. Eu entrei em contato com as pessoas que lá trabalhavam pela ABCD, alguns dos quais por mais de 20 anos, e eles disseram que tampouco conheciam aqueles nomes. Isso causou uma grande fricção. Claro, a responsabilidade em fazer a lista era da Rio-2016. Mas todos nós queríamos que o Brasil estivesse representado pelos melhores e que a imagem do País não fosse colocada em questão. E foi o que ocorreu.

Rio-2016 afirma ser equivocada a ideia de que tenha elaborado listas por iniciativa própria.

De que forma isso tudo afetou o controle do doping nos Jogos?

No lugar de usar os oficiais de coleta de sangue que a ABCD treinou, eles decidiram usar uma empresa privada. Chamamos a atenção de que eles têm experiência em coletas de um posto de enfermagem. Mas não do controle de dopagem. O que ocorreu, na prática, era que as coletas em alguns momentos não foram feitas. Assim, o Laboratório no Rio de Janeiro, com investimentos pesados do governo em tecnologia de ponta, não recebeu as amostras de sangue em quantidade suficiente. Grande parte do investimento não foi utilizado. Outro problema registrado foi com os escoltas, que são as pessoas que acompanham o atleta desde o momento que ele é notificado para o controle de dopagem até a coleta. Como em Sochi, em 2014, uma das grandes críticas da Wada havia sido com os escoltas, nós formamos quase uma centena deles para a Rio-2016. Esses líderes de escolta, muitos deles com escolaridade superior ou militares, não foram usados pelos organizadores dos Jogos.

Após os Jogos, a Wada fez críticas muito duras ao Rio. Essas falhas foram deliberadas ou acidentais?

Não tenho provas, porque eu não estava mais no Brasil. Mas o que podemos pelo menos afirmar é que houve uma falta de planejamento muito grande, um despreparo enorme da Rio-2016 e que tudo isso poderia ter sido evitado se tivessem aproveitado as pessoas que a ABCD treinou e formou. Inclusive, durante os Jogos, quando foi informado que havia um problema com os oficiais de coletas de sangue, a ABCD ofereceu os seus 23 especialistas formados. Mas a Rio-2016 não aceitou com a desculpa de que seria difícil credenciar aquelas pessoas. Uma coisa absolutamente inadmissível.

O senhor citou o diretor executivo de Esportes do COB. Mas onde Carlos Arthur Nuzman estava em toda essa discussão? Ele se reuniu com vocês?

Não. Enquanto eu estive no Brasil, eu o vi talvez duas vezes e o encontrei por ir à abertura ou encerramento das reuniões da força-tarefa. Estávamos longe de Nuzman. Mas penso que tudo que ocorre dentro do COB é de responsabilidade de seu presidente.

Como foi sua saída da ABCD?

A partir do momento que Klein foi exonerado, no fim de junho, tivemos um novo responsável e, mesmo depois de nomeado, não apareceu na ABCD. Eu me mantive por mais alguns dias na ABCD para terminar alguns relatórios e na esperança de que aparecesse o novo secretário (Rogério Sampaio) para passar informação do sistema de inteligência, que estava em apenas duas pessoas: eu e Klein. Tínhamos problemas para resolver. O laboratório estava descredenciado pela Wada e tínhamos amostras no laboratório que não tinham sido examinadas. Tínhamos de tomar uma decisão sobre o destino dessas amostras. Estávamos a poucas semanas dos Jogos. Mas a pessoa não apareceu. Eu ainda fiquei em julho em Brasília e deixei recados para o novo secretário dizendo que estava disposto a falar sobre todos os detalhes. Ele acabou aparecendo. Mas nunca solicitou minha informação, o que é algo estranho.

O senhor saiu com um sentimento de que o objetivo era ganhar medalhas a todo custo?

Parece que havia essa estratégia. Se um organismo, que tem uma importância enorme na realização dos Jogos e na preparação da missão de atletas, tem uma atitude dessas num momento crucial, sufocando nossas atividades, e as pessoas que entram não estão interessadas em resolver os problemas que existiam, é, no mínimo, estranho e nos leva a pensar que muito provavelmente havia uma estratégia. 

Com tudo o que o senhor viu no Brasil, qual é a real dimensão do doping no esporte nacional?

É grave. É muito grave. Tanto eu como Klein tivemos acesso a todas as informações. Éramos os únicos que tínhamos toda essa informação. Antes de chegar, eu já sabia que a situação era difícil. Mas nunca pensei que fosse tão grave e que as estratégias de dopagem fossem tão sofisticadas. Tivemos ainda acesso à informação de atletas que compravam produtos em borracharias, em farmácias sem receituário e, portanto, a situação é realmente gravíssima. Acima de tudo, com nosso sistema de inteligência, conseguimos que vários atletas dessem uma espécie de delação premiada. Isso foi fundamental para construir um relatório completo sobre quem fornecia, quais médicos e treinadores envolvidos, como os testes eram manipulados. Entregamos tudo ao Ministério Público que hoje tem muita informação sobre instituições e pessoas envolvidas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.