Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

COI retira parcialmente a suspensão imposta ao Comitê Olímpico do Brasil

COB volta a ter direitos como membro de associações ligadas a comitês olímpicos nacionais, mas repasse de verbas segue interrompido

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

31 Outubro 2017 | 13h34

O Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu revogar parte da suspensão imposta ao Comitê Olímpico do Brasil (COB) e devolveu à entidade brasileira seus direitos como membro de associações ligadas a comitês olímpicos nacionais. A decisão foi tomada nesta terça-feira pelo Conselho Executivo do COI. O repasse de verbas, contudo, segue suspenso.

+ Após Rio-2016, ouro e outras 'lembrancinhas' entram em lista de presentes proibidos

+ 'A corrupção na política no Brasil permeou o esporte', diz membro do COI

O COB foi suspenso no último dia 6, um dia após a prisão de seu então presidente, Carlos Arthur Nuzman, no curso da Operação Unfair Play. Deflagrada pela Polícia Federal, a operação investiga suposto esquema de compra de votos para o Rio de Janeiro sediar os Jogos Olímpicos do ano passado.

A suspensão, de acordo com a regra 59 da Carta Olímpica, congelou todos os pagamentos e subsídios do COI para o COB e tirou a autorização para o comitê brasileiro exercer seus direitos de membro entre as associações de comitês olímpicos nacionais. A decisão desta terça devolve ao COB seus direitos como membro, o que permitirá que a entidade participe do encontro da Associação de Comitês Olímpicos Nacionais e da Organização Desportiva Pan-Americana (ODEPA) esta semana, em Praga, na República Checa.

+ 'No COB, não vai passar nada que eu não saiba', diz Paulo Wanderley

+ Após 15 dias preso, Carlos Arthur Nuzman deixa a prisão no Rio

Segundo comunicado do COI, desde que a suspensão foi imposta o COB passou por "uma série de ações". As mais importantes, na avaliação da entidade internacional, foram a renúncia de Nuzman, a efetivação do vice, Paulo Wanderley Teixeira, como presidente, e o processo para reforma do estatuto.

O COI destacou ainda que o comitê brasileiro está realizando uma auditoria independente que, até o momento, atestou que as contas da entidade foram devidamente auditadas e aprovadas no período que engloba as acusações enfrentadas por Carlos Arthur Nuzman, e que nada foi encontrado com as contas do comitê.

A entidade internacional alertou, contudo, que o COB segue auditando todas as suas contas e que "não haverá decisão sobre o levantamento final da suspensão provisória do COB pelo COI até que este processo seja concluído".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.