Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

Com temperaturas negativas, Coreia do Sul recebe evento histórico

PyeongChang recebe edição olímpica e frio chama atenção até das delegações acostumadas aos invernos rigorosos

O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2018 | 07h00

Os Jogos Olímpicos de Inverno começam oficialmente nesta sexta-feira, em PyeongChang, na Coreia do Sul, com o status de serem os maiores da história da competição, com 2.925 atletas de 92 países, e talvez os mais gelados.

+ Vírus causa preocupação nos Jogos de Inverno

+ CAS decidirá nesta sexta sobre 45 russos que tentam competir nos Jogos

A cerimônia de abertura começa às 9h (de Brasília) e será marcada por um momento raro, pois atletas das Coreias do Sul e do Norte, históricos inimigos políticos, desfilarão juntos e exibirão uma bandeira que retrata a península de forma unificada. Apenas em duas edições da Olimpíada de Verão, em Sydney-2000 e Atenas-2004, os dois países se juntaram no grande desfile que abre o evento.

A cerimônia de abertura vai ocorrer com temperaturas que variam entre - 2°C e - 5°C, segundo as previsões, mas com sensação térmica de - 10°C. Talvez até supere o recorde dos Jogos de Lillehammer-1994, na Noruega, quando os termômetros marcaram - 11º C.

“Está brutal aqui. Não é agradável, está extremamente frio, mas pelo menos tem um céu azul”, disse Nils Coberger, técnico do time de esqui da Nova Zelândia. As baixas temperaturas fazem com que cabos utilizados para equipamentos de filmagem ao ar livre rapidamente fiquem quebradiços e se rompam ao menor puxão.

A recomendação para o público que pretende assistir no estádio à cerimônia de abertura é que vá bem agasalhado. Os fãs receberão kits com aquecedores de assentos e quebra-ventos, destinados a limitar as chances de hipotermia.

Ao total, serão disputadas 15 disciplinas de sete modalidades de gelo (bobsled, skeleton, luge, curling, hóquei, patinação de velocidade, patinação de velocidade em pista curta e patinação artística) e outras sete de neve (combinado nórdico, salto com esqui, snowboard, biatlo, esqui estilo livre, esqui alpino e esqui cross-country).

O Brasil, com uma delegação de apenas dez atletas, tem chances muito remotas de levar uma medalha e só estreará no evento na próxima quinta-feira, com Jaqueline Mourão na prova dos 10 km estilo livre do esqui cross-country e com Isabel Clark no snowboard cross.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.