Construção de Vila Olímpica é questão-chave de Paris na disputa por Jogos de 2024

Plano está orçado em 1,7 bilhão de euros (cerca de R$ 5,8 bilhões)

O Estado de S.Paulo

15 Maio 2017 | 17h02

Líderes da candidatura de Paris para sediar a Olimpíada de 2024 se reuniram, nesta segunda-feira, com inspetores do Comitê Olímpico Internacional (COI) e anunciaram um plano para a construção de uma Vila Olímpica orçada em 1,7 bilhão de euros (cerca de R$ 5,8 bilhões), mas somente caso a cidade - que disputa o direito de abrigar a competição com Los Angeles - seja confirmada como sede da edição de 2024.

O COI estuda a possibilidade de conceder respectivamente a Paris e Los Angeles (2028) as duas próximas Olimpíadas - a decisão deve ser anunciada em setembro - e a Vila Olímpica se tornou um tópico importante porque as autoridades francesas dizem que o projeto só será viável se a capital francesa for confirmada como palco da próxima edição dos Jogos.

"Estamos comprometidos com as autoridades públicas sobre o projeto para 2024. Depois disso, nada está garantido", disse Tony Estanguet, líder da candidatura parisiense.

O vice-CEO do projeto de Paris, Michael Aloisio, acrescentou que seria difícil para o município congelar a proposta por mais quatro anos porque há uma necessidade da população por moradias no entorno da área escolhida para a construção. "Todos esses projetos foram lançados agora. Então, eles têm que ser executados antes de 2024. Não podemos apenas simplesmente congelá-los e esperar por mais quatro anos", enfatizou o representante de Paris na disputa.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, insistiu que a Vila Olímpica, que deverá ser erguida no bairro Seine-Saint-Denis, deverá ajudar a desenvolver uma área onde o desemprego é alto. No total, cerca de três mil moradias deverão ser construídas no distrito após a competição esportiva. "Nós acreditamos na recuperação desta área", destacou.

Os dirigentes responsáveis pela candidatura mostraram aos inspetores do COI o planejamento da vila em uma área de 50 hectares perto do rio Sena. Eles disseram que 84% dos atletas seriam capazes de chegar aos locais de competição em menos de 25 minutos. O estádio Olímpico e o Centro Aquático estarão em um raio de dois quilômetros da vila, de acordo com a proposta.

Além disso, o comitê de candidatura garantiu que a nova infraestrutura de transporte público deixará a Vila Olímpica mais acessível, com a criação de uma nova estação de trem e uma ligação rodoviária - pela qual o trajeto entre o centro de Paris e a Vila Olímpica deverá ser percorrido em cerca de 20 minutos.

Os inspetores do COI ficaram impressionados com a ideia. "Este local está extremamente bem situado (próximo) a todos os pontos de competição", enfatizou Patrick Baumann, chefe da Comissão de Avaliação do Comitê Olímpico Internacional, que revelou ter tratado de detalhes do projeto com o arquiteto responsável pela obra. Outros temas relevantes na discussão são a construção de um centro aquático no Stade de France e um centro de mídia.

Por causa da existência de infraestrutura no projeto, os líderes da candidatura parisiense prometem limitar gastos, com um orçamento de três bilhões de euros (aproximadamente R$ 10,2 bilhões). Eles estimam que 70% dos gastos serão cobertos por recursos privados. "Recebemos todas as garantias que precisávamos", completou Patrick Baumann.

No segundo dia da visita à capital francesa, os inspetores se dividiram em três grupos e visitaram alguns dos locais propostos, incluindo a Torre Eiffel, Roland Garros, o Velódromo Nacional e o Stade de France.

Muitos marcos parisienses, entre eles O Grande Palácio e o Campo de Marte serão usados caso a cidade vença o pleito. As corridas de ciclismo terminariam no Arco do Triunfo, as provas equestres no Castelo de Versailles e o vôlei de praia em uma quadra no pé da Torre Eiffel.

Patrick Baumann se esquivou quando perguntado sobre as comparações entre o projeto de Paris e o apresentado pelos norte-americanos de Los Angeles. "Os lugares tem histórias diferentes, mas são igualmente alucinantes", ponderou.

Membros da comissão deverão se reunir com o presidente francês, Emmanuel Macron, nesta terça-feira, para um café da manhã no Palácio do Eliseu, residência oficial do presidente da República, antes da discussão final sobre a candidatura de Paris.

A capital da França e Los Angeles terão outra oportunidade para apresentar os seus projetos aos integrantes do COI em Lausanne, na Suíça, no mês de julho, depois de receberem o relatório da Comitê de Avaliação. A eleição da cidade anfitriã dos Jogos de 2024 ocorrerá no dia 13 de setembro deste ano, em Lima, no Peru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.