1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Custo do Rio-2016 aumenta R$ 400 mi e chega a R$ 39,07 bi

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 13h 34

A quarta atualização da Matriz de Responsabilidades para os Jogos Olímpicos do Rio-2016, divulgada nesta sexta-feira, apontou um acréscimo de R$ 400 milhões no orçamento da Olimpíada e, com isso, o custo oficial dos Jogos atingiu a cifra de R$ 39,07 bilhões. Só em instalações olímpicas, os Jogos do Rio custarão R$ 7,07 bilhões. A nova versão da Matriz foi divulgada no início da manhã desta sexta-feira pela Autoridade Pública Olímpica (APO).

Os R$ 39,07 bilhões, contudo, não contemplam a totalidade de gastos na preparação do Rio para a Olimpíada. Custos de desapropriações, ampliação do Riocentro, investimento extra em segurança pública e até mesmo o orçamento com órgãos como a própria APO não são contabilizados.

Instalações do Complexo Esportivo de Deodoro encarecem os Jogos

Instalações do Complexo Esportivo de Deodoro encarecem os Jogos

A construção do Pavilhão 6 do Riocentro, sede das competições de boxe do Rio-2016, nunca constou na Matriz de Responsabilidades e foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo no início de novembro. A obra foi fechada sem licitação pela prefeitura do Rio, ao custo de R$ 50 milhões.

Nesta sexta-feira, o presidente da APO, Marcelo Pedroso, reafirmou que a obra não irá constar em nenhuma atualização da matriz – que vem sendo feita semestralmente. “A cidade já tem uma concessão no Riocentro, e esse investimento de ampliação é um investimento que a cidade já considerava necessário na perspectiva do crescimento do mercado de eventos na cidade”, argumentou. “O Riocentro não é uma instalação esportiva como um ginásio, é um centro de eventos. Não é encarado como um investimento realizado exclusivamente para os Jogos. Não entra na matriz.”

Pedroso também afirmou que os custos totais para a realização dos Jogos do Rio só poderão ser conhecidos após o evento. E isso inclui o orçamento da APO, que também não entrará na Matriz de Responsabilidades. “Há um consenso de que os gastos de gestão não devem ser incluídos na Matriz de Responsabilidade. Ela contempla investimentos em obras e serviços”, disse.

O aumento de R$ 400 milhões é referente à definição dos custos com arquibancadas temporárias para instalações do Parque Olímpico da Barra e do Complexo Esportivo de Deodoro, além da locação de geradores de energia temporária para as arenas esportivas.

A Matriz de Responsabilidades apresenta as obrigações dos três entes de governos destinadas exclusivamente às instalações esportivas. Atualmente, são 47 projetos – o número vem variando deste o lançamento da matriz em função de “aperfeiçoamentos”, segundo o discurso oficial.

Além da matriz, o orçamento dos Jogos Olímpicos do Rio-2016 prevê outros R$ 7,4 bilhões de gastos com o Comitê Rio-2016 – organizador da Olimpíada – e R$ 24,6 bilhões em obras consideradas de legado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX