1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Diego Hypolito é ouro e Rebeca Andrade fatura prata em Doha

- Atualizado: 25 Março 2016 | 15h 12

Antes de competição, brasileiro havia dito que não brigaria pela vitória

O Brasil começou bem as finais da etapa de Doha da Copa do Mundo de Ginástica Artística, faturando duas medalhas nesta sexta-feira. Diego Hypolito confirmou o favoritismo e ganhou o ouro no solo, apesar de não repetir o ótimo desempenho da fase de classificação, na quinta. Já Rebeca Andrade, voltando de uma cirurgia que a afastou das competições por quase um ano, faturou a prata nas barras assimétricas.

Diego, que havia dito, antes da competição, que não brigaria por vitória, uma vez que apresentaria uma série simples, novamente exibiu a série com maior nota de partida no solo. Diferente da fase de classificação, entretanto, desta vez ele teve algumas falhas, mas nada que impedisse o ouro, com nota 15,175 - havia feito 15,400 na quinta.

Diego Hypolito conquistou o ouro no solo na Copa do Mundo de Ginástica, em Doha, Catar
Diego Hypolito conquistou o ouro no solo na Copa do Mundo de Ginástica, em Doha, Catar

O resultado confirma que Diego segue candidato a uma medalha no Rio-2016. Se a nota desta sexta-feira tivesse sido tirada no Mundial do ano passado, ela avançaria à final em sétimo e terminaria em quarto. Hypolito não foi àquela competição porque o Brasil tinha como prioridade a competição por equipes, mas, como brigará por medalha, certamente estará nos Jogos do Rio.

Rebeca Andrade, que só voltou a competir na semana passada após uma séria lesão no joelho, sofrida em junho do ano passado, também não repetiu o desempenho das eliminatórias, mas fez o suficiente para ganhar a prata. Recebeu nota 14,250, contra 14,500 da véspera. Não é desempenho para fazer final olímpica, mas a medalha por si só já mostra uma evolução no aparelho, o mais fraco da ginástica artística feminina. Em Doha, a brasileira só foi superada pela sueca Joanna Adlerteg, que recebeu nota 14,950.

O Brasil ainda fez mais uma final nesta sexta-feira, nas argolas, com Henrique Medina. Enteado do técnico Marcos Goto e amigo de infância de Arthur Zanetti, ele ficou apenas no sexto lugar, com nota 15,325. Apesar de a classificação não ter rendido medalha, foi um desempenho próximo ao que teve Zanetti no último Mundial: 15,433. Medina precisa mostrar que pode brigar por medalha nas argolas para sonhar em entrar no time para a Olimpíada.

Nas argolas, o ouro foi para o grego Eleftherios Petrounias (15,875), a prata para o armênio Vahagn Davtyan (15,800) e o bronze para Artur Tovmasyan (15,775), também da Armênia. Todos tiveram resultado que valeria no mínimo prata em todos os Mundiais do ciclo olímpico. A sorte de Arthur Zanetti é que nenhum dos dois armênios estará no Rio.

No sábado, a ginástica brasileira disputa três finais em Doha. Diego compete no salto, Thauany Araújo na trave e Fellipe Arakawa na barra fixa. Dos três, só o veterano é favorito a ganhar medalha.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX