Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Paulo Wanderley: dos tatames para a presidência do COB

Antigo judoca e ex-vice assume a entidade após renúncia de Carlos Arthur Nuzman, preso no Rio

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2017 | 07h00

Antigo vice, Paulo Wanderley Teixeira assumirá o COB após a renúncia de Carlos Arthur Nuzman. O dirigente fez sua história esportiva nos tatames e teve destaque na Confederação Brasileira de Judô (CBJ) ao se tornar presidente da entidade em 2001, após um longo período da família Mamede no comando.

+ Atletas deverão ter 'um pouco mais' de poder com novo estatuto do COB

Ele assumiu a CBJ e na ocasião começou a promover uma série de mudanças. A primeira foi limpar o nome da entidade, que estava irregular juridicamente e não podia receber patrocínios. A partir daí, trabalhou em função de melhorar as condições da sede, que era uma pequena sala no centro do Rio com apenas quatro funcionários. E tratou de resolver a questão da inadimplência.

Com o tempo, vieram patrocínios e parte do dinheiro foi investida na formação de atletas. O Brasil já tinha um histórico de conquistas na modalidade, mas muito mais em função do talento individual do que de um projeto de médio prazo. Ele ficou 16 anos no comando da CBJ e foi um período de grandes conquistas do judô brasileiro, com 12 medalhas olímpicas e 30 pódios em Mundiais, sem contar as categorias de base.

Foi na gestão de Paulo Wanderley que veio a conquista do primeiro ouro em Mundial, o primeiro ouro feminino em Olimpíada, além de grandes eventos da modalidade serem realizados no País. Com isso, o Brasil se tornou uma das potências da modalidade e a popularização do esporte abrangeu diversas regiões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.