Leonhard Foeger/Reuters
Leonhard Foeger/Reuters

Presidente do COI planeja visita à Coreia do Norte após os Jogos de Inverno

Thomas Bach tem usado a Olimpíada para tentar retomar o diálogo político e deve ir ao país após o dia 25

O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2018 | 07h00

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, planeja visitar a Coreia do Norte após a Olimpíada de Inverno de Pyeongchang, consolidando os laços com o país recluso que usou o evento para retomar o diálogo político com a Coreia do Sul.

+ Coreias fazem história no esporte durante os Jogos de Inverno

+ Holandesa conquista décima medalha olímpica e bate recorde na patinação

Bach disse nesta terça-feira à agência de notícias Reuters que fará a visita a convite de Pyongyang e como parte de um acordo do COI e das duas Coreias. As partes ainda estão debatendo uma data conveniente. Os Jogos sul-coreanos terminam no próximo dia 25.

“Todas as partes envolvidas acolheram este convite à Coreia do Norte”, disse. “Estamos conversando sobre a data conveniente de forma a continuar o diálogo do lado esportivo. Veremos quando isso acontecerá”.

Líderes sul e norte-coreanos trocaram apertos de mão calorosos e sorrisos na cerimônia de abertura de sexta-feira, o que permitiu ao COI apresentar os Jogos como facilitadores da paz e retirar o destaque midiático de um escândalo de doping russo que atormenta o organismo há anos.

Atletas da Rússia marcharam sob a bandeira olímpica e com cores neutras durante a cerimônia, já que foram impedidos pelo COI de competir formalmente por seu país. Muitos críticos pediram que o COI proibisse todos os russos sem exceções. O governo da Rússia, inclusive, anunciou que realizará Jogos de Inverno alternativos depois que atletas do país não tiveram participação aceita na competição oficial.

A Coreia do Norte concordou em participar dos Jogos de Pyeongchang depois que Seul e o COI incentivaram a nação, que é alvo de diversas sanções internacionais, a fazê-lo como um gesto de paz. O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, está usando o evento como parte de seus esforços para quebrar o gelo com o vizinho do norte e abrir caminho para conversas sobre os programas de armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.