1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Rússia dá suspensão vitalícia a técnico que comandou doping

- Atualizado: 25 Março 2016 | 16h 04

Mais de 10 atletas treinados por Viktor Chegin foram flagrados

Um dia depois de a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) acatar a apelação da Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF) e retirar medalhas olímpicas e mundiais de cinco atletas de peso da marcha atlética, a Agência Antidoping da Rússia (Rusada) anunciou nesta sexta-feira a suspensão por toda a vida do técnico da entidade, Viktor Chegin.

Valery Borchin, Sergey Kirdyapkin, Olga Kaniskina, Sergey Bakulin e Vladimir Kanaikin, todos atletas com medalhas em Mundiais e ou Olimpíadas, foram suspensos provisoriamente ao fim de 2012, mas só no ano passado tiveram punições aplicadas. Quando o escândalo estourou, com a Rusada alegando que não tinha recursos para lidar com "a especificidade dos casos de passaporte biológico", a Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) e a IAAF passaram a apertar o cerco contra o atletismo russo.

Viktor Chegin, treinador de atletismo, é suspenso perpetuamente por escândalo de doping
Viktor Chegin, treinador de atletismo, é suspenso perpetuamente por escândalo de doping

Agora, a Rusada finalmente decidiu punir Chegin, que seria o mentor do esquema. Mais de uma dezena de atletas treinados por ele foram flagrados em exames antidoping nesta década. Um dos casos mais emblemáticos é de Elena Lashmanova, campeã olímpica em 2012 e mundial em 2013 na marcha atlética de 20km. Ela está suspensa desde 2014.

A suspensão vitalícia a Chegin vem num momento no qual a Rússia tenta demonstrar à Wada e à IAAF que está combatendo o doping, visando revogar a suspensão que impede o país de participar das provas de atletismo dos Jogos Olímpicos do Rio.

MAIS DOPING NA RÚSSIA

Como acontece quase todo dia, também nesta sexta-feira novos casos de doping foram revelados na Rússia. Desta vez são dois atletas de luta, mas da disciplina 'sambo', que não é olímpica. Ambos testaram positivo para Meldonium.

Yana Martynova, campeã da Universíade em 2013 nos 400m medley e 24.ª colocada nesta prova nos Jogos Olímpicos de Londres, foi flagrada em exame antidoping antes do Mundial do ano passado e teve sua pena revelada nesta sexta-feira: quatro anos. Ela foi retirada às pressas do Mundial, disputado em Kazan, na Rússia, sob a alegação de lesão.

Já o presidente da Federação Russa de Curling revelou que diversos atletas da seleção russa consumiam Meldonium até o ano passado. Como não se sabe ao certo por quanto tempo a substância permanece no organismo, teme-se que as russas caiam no doping durante o Mundial, que está sendo realizado no Canadá.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX