Leandro Martins/CPB/MPIX
Leandro Martins/CPB/MPIX

Seleção paralímpica 'forte' é chamada para o Mundial de atletismo

Critérios mais rígidos definiram os 25 representantes do Brasil em Londres

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2017 | 22h21

Após um excelente resultado nos Jogos do Rio em 2016, o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciou na manhã desta quinta-feira, 8 de junho, a lista dos 25 convocados para o Mundial de atletismo, que será disputado em Londres entre os dias 14 e 23 de julho. Todos os chamados precisaram se superar para garantir a participação no Aevento, já que os critérios de classificação foram rígidos.

Para o Mundial de Londres, a aposta do comitê foi em índices fortes, baseados nas primeiras posições do ranking 2016 de cada prova e classe. Os índices A foram estabelecidos por meio de uma média entre as três melhores marcas. Já os índices B foram formados por aproximação ao índice A, deixando o atleta muito próximo dos três melhores da média histórica recente do ranking mundial.

“Tivemos a preocupação de estabelecer critérios rígidos de classificação para o Mundial, para levarmos nossa equipe mais forte, em plenas condições de repetir lá no Estádio Olímpico de Londres o grande desempenho que o atletismo do país apresentou nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Estamos confiantes numa grande campanha neste Mundial”, disse Mizael Conrado, presidente do CPB – Mizael é ex-atleta do futebol de cinco (para cegos), foi eleito o melhor jogador do mundo em 1998 e conquistou a medalha de ouro nas Paraolimpíadas de Atenas em 2004 e Pequim em 2008.

A lista de convocados possui atletas experientes (17 dos 25 estiveram nos Jogos do Rio no ano passado, 12 subiram ao pódio e conquistaram 18 medalhas) e outros mais jovens – 11 atletas têm menos de 30 anos.  “Esperamos que aqueles que conseguiram o índice A estejam figurando entre os medalhistas de suas provas. E os que chegaram com índice B ficaram muito perto dos índices A, ou seja, bem próximos das melhores marcas do mundo”, aposta Alberto Martins, diretor técnico do CPB.

Atletas. Um dos mais experientes da delegação brasileira é Yohansson do Nascimento, da classe T46 (amputação nos braços abaixo do cotovelo). Esse será seu quinto Mundial e ele espera conquistar mais uma medalha para o Brasil. “A minha expectativa pessoal é muito positiva. Tenho 8 medalhas nessa competição. Eu quero ir para Londres não apenas como um atleta experiente, mas também como um cara preparado para ir lá e brigar por medalhas”, afirmou. 

Ele também contou sobre as perspectivas gerais em torno da delegação brasileira. “A expectativa é a melhor. O grupo todo é extremamente qualificado para ir para Londres e brigar por medalhas. É o melhor que a gente tem para conquistar os melhores resultados.”

Já André Rocha, do lançamento de peso, também espera por bons resultados. “Venho da quebra de dois recordes mundiais, tenho treinado forte, apesar de ter passado por uma cirurgia bem complicada. Mas os resultados estão saindo. Tenho que melhor até Londres ainda. Quer ir lá e, se Deus quiser, voltar com uma medalha, de preferência de ouro.”

Abaixo, confira a lista com os 25 atletas que representarão o Brasil no Mundial de Londres:

1. Alessandro Silva (classe F11) 

2. André Rocha (classe F52) 

3. Ariosvaldo Fernandes (classe T53)

4. Daniel Mendes (classe T11)

5. Daniel Tavares (classe T20)

6. Edson Pinheiro (classe T38)

7. Elizabeth Gomes (classe F55) 

8. Emerson dos Santos Lopes (classe F46) 

9. Fabricio Júnior (T12) 

10. Fábio Bordignon (classe T35) 

11. Gustavo Araújo (classe T13) 

12. Izabela Campos (classe F11) 

13. Jhulia Karol (classe T11) 

14. João Luis dos Santos (classe F46) 

15. Jonas Licurgo (classe F55) 

16. Kesley Josué (classe T13) 

17. Mateus Evangelista (classe T37) 

18. Michel Abrahame (classe T46)

19. Paulo Henrique Reis (classe T13) 

20. Petrucio Ferreira (classe T47) 

21. Renata Bazone (classe T11) 

22. Ricardo Costa (classe T11) 

23. Rodrigo Parreira (classe T36) 

24. Thiago Paulino (classe F57) 

25. Yohansson do Nascimento (classe T46) 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.