Charlie Riedel/AP
Charlie Riedel/AP

Vírus causa preocupação nos Jogos Olímpicos de Inverno

Epidemia já infectou 86 pessoas na Coreia do Sul, mas ainda não atingiu atletas

O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2018 | 22h52

Os organizadores dos Jogos de Inverno estão preocupados com uma epidemia de norovírus especialmente contagioso em PyeongChang, na Coreia do Sul. Já foram confirmados 86 casos, mas por enquanto nenhum atleta foi atingido.

+ Risco de propagação do norovírus afasta 1,2 mil seguranças dos Jogos de Inverno

+ Com novo recurso e sem veredicto da CAS, 47 russos não sabem se irão aos Jogos

A deleção brasileira que vai participar dos Jogos está preocupada. A fim de evitar qualquer problema, os atletas estão seguindo as orientações do COI (Comitê Olímpico Internacional): lavar bem as mãos e usar os antissépticos nas áreas comuns, para evitar contaminação. A recomendação do COB (Comitê Olímpico do Brasil) para sua delegação é que, se houver qualquer alteração gastrointestinal, ela precisa ser relatada imediatamente ao departamento médico e o atleta ficará sob observação por um tempo.

O vírus provoca diarreias e vômitos e, se atingisse atletas, deixaria os esportistas bastante debilitados pouco antes da competição. A cerimônia de abertura será realizada na quinta-feira, às 9 horas (horário de Brasília). E o temor é que, se o vírus chegar à Vila Olímpica, o problema para os organizadores será muito maior e de grandes proporções.

“Na terça tínhamos 32 casos, mas agora temos 54 a mais, dando um total de 86 pessoas com o norovírus”, explicou Kim Hyun-Jun, diretor do Centro Coreano de Controle e Prevenção de Enfermidades. Ele lembra que os principais transmissores do vírus são a água e a comida. Por precaução, 1,2 mil seguranças foram dispensados temporariamente e em seus lugares foram convocados militares para garantir a segurança.

Entre as medidas de urgência tomadas pelas autoridades de saúde sul-coreanas está colocar em quarentena os doentes de dois a três dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.