Reprodução/UFC
Reprodução/UFC

Antes da defesa do título, Amanda Nunes critica UFC: 'Cada um por si'

Depois de adiar luta de julho, brasileira enfrenta Valentina Shevchenko neste sábado pelo cinturão do peso galo

Andreza Galdeano, Estadão Conteúdo

09 Setembro 2017 | 13h10

Depois de desistir do UFC 213, a brasileira Amanda Nunes volta ao octógono na noite deste sábado, para defender o cinturão da categoria peso galo, contra a velha conhecida Valentina Shevchenko, atual número 1 no ranking da divisão. O combate, marcado para Edmonton, no Canadá, será a luta principal do evento.

Em entrevista exclusiva ao Estado, a "Leoa" afirma não se importar com críticas que recebeu após declarar que um quadro de sinusite crônica causou o adiamento da revanche contra Shevchenko. "Sou aquela pessoa que não fica na internet procurando nada, porque eu já sei que sempre vai ter algo sobre mim, coisas boas e ruins. Se estão me criticando, eu não me preocupo", contou.

Além da repercussão negativa - a própria rival acusou Amanda de ter mentido -, o presidente do UFC, Dana White, entrou na polêmica ao dizer que a brasileira passava por problemas mentais e não físicos. Amanda rebateu.

"Acredito que o presidente não deve ir na mídia detonar o seu próprio atleta. Eu esperava algo diferente do Dana White, mas o médico do UFC passou para ele uma coisa e ele entendeu dessa maneira. Aqui é cada um por si, encarei assim depois daquela declaração, ninguém ajuda ninguém".

Após o cancelamento da luta, que seria em julho, a baiana também precisou lidar com o espaço dado pelo UFC. Inicialmente, o novo desafio não seria a principal luta do evento no Canadá, o que só mudou após o cancelamento do combate principal, entre Demetrious Johnson e Ray Borg.  "O importante é a vitória e manter o cinturão, porque o dinheiro que eu vou ganhar vai ser o mesmo, se aumentasse talvez eu pensaria duas vezes".

Deixando as discussões de lado, Amanda exibe confiança e garante que permanecerá como campeã. "Eu sou a melhor do mundo e ninguém vai tirar esse cinturão de mim, não importa o que falem, o resultado vai ser o mesmo. Estou procurando focar na luta, porque é o mais importante. Tenho certeza que o cinturão vai ficar, porque sou melhor do que todos os oponentes dessa divisão".

Amanda encara Shevchenko após duas grandes vitórias contra Miesha Tate e Ronda Rousey. Para o próximo desafio, ela assegura que entrará no octógono preparada para enfrentar o que vier pela frente. "O combate é uma coisa que a gente só sabe no momento, mas eu estou esperando tudo, sei que posso encarar cinco rounds, o jogo de chão e o wrestling. O que acontecer na luta, estarei bem."

OUTROS BRASILEIROS. O UFC 215 contará com a presença de mais cinco brasileiros. A segunda luta principal da noite será entre Rafael dos Anjos e Neil Magny. Ainda na programação principal, Wilson Reis desafia Henry Cejudo. Já na fase preliminar, Ketlen Vieira enfrenta Sara McMann, Luis Henrique KLB terá pela frente Arjan Bhullar e Adriano Martins encara Kajan Johnson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.