Al Bello/AFP
Al Bello/AFP

Miguel Cotto lamenta adeus ao boxe com derrota, mas garante: 'Estou feliz'

Pugilista porto-riquenho caiu diante do norte-americano Sadam Ali por decisão unânime dos juízes

Estadao Conteudo

03 Dezembro 2017 | 12h30

Um dos grandes boxeadores dos últimos tempos, o porto-riquenho Miguel Cotto se despediu dos ringues na madrugada de sábado para domingo com uma derrota. Aos 37 anos, ele caiu por decisão unânime dos juízes diante do norte-americano Sadam Ali, resultado que deu ao desafiante o cinturão da categoria médio-ligeiro na Organização Mundial de Boxe.

+ Cotto se aposenta com derrota para Sadam Ali

Cotto viu os árbitros decidirem a favor de Ali de forma unânime, com as seguintes pontuações: 115 a 113, 115 a 113 e 116 a 112. O combate aconteceu no tradicional Madison Square Garden, em Nova York, e o público presente no local vaiou bastante a decisão ao fim do combate.

Apesar das vaias, Cotto se mostrou resignado, aceitou a decisão dos juízes e garantiu ter ficado satisfeito com seu desempenho. "Me sinto bem com a minha atuação. Eu consegui machucá-lo no primeiro e no segundo assalto. Eu sabia que tinha que fazer algo."

Cotto lutou os últimos assaltos com uma lesão no bíceps, o que atrapalhou sua atuação e tornou ainda mais memorável sua despedida. "Aconteceu algo no meu bíceps esquerdo. Não quero dar desculpas, o Sadam ganhou a luta, que foi a minha última. Estou orgulhoso e quero estar contente em casa com a minha família."

Terminou, assim, uma carreira das mais vitoriosas no boxe. Cotto deixa o boxe com um legado de seis cinturões em quatro divisões diferentes e 41 vitórias nas 47 lutas profissionais que disputou.

Mais conteúdo sobre:
Boxe Miguel Cotto aposentadoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.