UFC
UFC

Na busca pelo cinturão, Demian Maia enfrenta Jorge Masvidal: ‘Eu preciso ganhar essa luta’

Brasileiro fala sobre o próximo combate e rebate críticas do atual campeão dos meio-médios do UFC

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2017 | 13h48

Com a sequência de seis vitórias consecutivas, Demian Maia enfrenta mais um desafio antes de ter a chance de disputar o cinturão dos meio-médios. Neste sábado, o paulista encara Jorge Masvidal, no card principal do UFC 211, em Dallas. Após ser considerado o primeiro da fila para competir pelo título, Maia foi criticado por Tyron Woodley, atual campeão da categoria, que classificou a decisão de aceitar uma outra luta como um "erro estúpido". 

Em entrevista exclusiva ao Estado, o brasileiro revela que recebeu um ultimato da organização para aceitar o confronto e rebate as críticas: "Eu acho que foi uma declaração infeliz, porque o Woodley não sabe o que aconteceu. Não sabe os bastidores e a situação para eu ter aceitado essa luta, então, como ele não sabe, deveria ficar quieto”.  

Com a atenção voltada para Masvidal, Maia reforça a expectativa de lutar para ser campeão. “Eu espero que seja isso, porque já fazem três lutas que todo mundo fala que eu deveria disputar o cinturão. Quando eu ganhei do Gunnar Nelson, no final de dezembro, depois quando eu ganhei do Matt Brown, em Curitiba, e agora, na minha última luta, contra o Condit. Eu espero que em sete vitórias consecutivas a próxima eu consiga disputar”. E completa: “Agora, eu preciso ganhar essa luta”.

Apesar das frustrações, o brasileiro afirma que não sente a pressão desse próximo desafio: “Na verdade, eu não sinto, porque eu passei por isso em todas as minhas últimas lutas. Então eu não posso deixar me levar por essa pressão, porque como atleta isso faz parte da nossa carreira. Se você se desconcentra, você se perde. Qualquer atleta que chega em um nível mais alto de rendimento tem que sabe lidar com isso”.

NA TORCIDA

No UFC 211, Demian Maia terá a companhia dos brasileiros Junior Cigano e Jéssica Andrade. Analisando os confrontos, o paulista classifica o combate entre Bate-Estaca e Joanna Jedrzejczyk como o mais duro, mas fica na torcida: “A luta da Jéssica é muito difícil, mas eu torço para que ela vença e traga mais um título para o Brasil”.

Sobre Cigano, Demian fala da amizade e do resultado positivo: “Eu torço muito para os dois. O Cigano é muito meu amigo, ele tem condições de ganhar, inclusive já ganhou do Miocic. Mas também é uma luta duríssima. Se ele estiver preparado, ele tem a capacidade de vencer de novo e ter o cinturão”.

CONFIRA O CARD

UFC 211, 13 de maio, em Dallas (EUA)

CARD PRINCIPAL 

Peso-pesado: Stipe Miocic x Junior Cigano

Peso-palha: Joanna Jedrzejczyk x Jéssica Bate-Estaca

Peso-meio-médio: Demian Maia x Jorge Masvidal

Peso-pena: Frankie Edgar x Yair Rodríguez

Peso-médio: Krzysztof Jotko x David Branch

CARD PRELIMINAR 

Peso-leve: Eddie Alvarez x Dustin Poirier

Peso-leve: Chas Skelly x Jason Knight

Peso-leve: Marco Polo Reyes x James Vick

Peso-palha: Jessica Aguilar x Courtney Casey

Peso-pena: Jared Gordon x Michel Quiñones

Peso-pesado: Chase Sherman x Rashad Coulter

Peso-pena: Gabriel Benítez x Enrique Barzola

Peso-meio-pesado: Joachim Christensen x Gadzhimurad Antigulov

Mais conteúdo sobre:
UFC Demian Maia Jorge Masvidal Luta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.