Pichi Chuang/Reuters
Pichi Chuang/Reuters

Presidente da AIBA é suspenso pelo comitê da entidade

O tailandês Wu Ching-kuo, de 70 anos, preside entidade desde 2006 e acumula R$ 48,3 milhões em dívidas

France Presse

10 Outubro 2017 | 13h36

Mais um caso de corrupção no esporte. Desta vez, o alvo das investigações é o presidente da Associação Internacional de Boxe (AIBA), Wu Ching-kuo, suspenso por suposta má gestão financeira. Wu controla a entidade do boxe olímpico desde 2006 e foi candidato à presidência do Comitê Olímpico Internacional (COI) em 2013, quando perdeu para Thomas Bach.

+Eder Jofre é condecorado na Câmara Municipal

Aos 70 anos, o dirigente possui um cargo no conselho executivo do COI e atuou no comitê de avaliação da Olimpíada do Rio-2016.Sua força como presidente da AIBA vem diminuindo a cada ano, por causa da terrível situação financeira da organização.

Vários membros do comitê executivo da AIBA deram um voto de confiança para Wu e tentaram contra-atacar as acusações do diretor executivo William Louis-Marie. Wu lutou contra várias tentativas de expulsá-lo nos tribunais suíços, ao que chamou de "movimentos ilícitos" e prometeu continuar sua batalha para manter o controle da AIBA.

Mas na segunda-feira a comissão disciplinar da associação votou por unanimidade para suspendê-lo, com efeito imediato e sem direito de recurso. Em uma declaração, a comissão disse que a decisão segue acusações de 11 membros do comitê executivo e Wu foi encontrado em violação de vários códigos disciplinares e estatutos.

Em seguida, o documento enumerou as quatro principais queixas contra Wu: tentativa de demitir os opositores da comissão executiva, tomar decisões comerciais sem aprovação, enganar a mídia e as federações nacionais sobre as finanças da AIBA e bloquear uma tentativa de organizar um voto de confiança a favor dele.

De acordo com a comissão disciplinar, a AIBA tem R$ 48,3 milhões em dívidas "sem qualquer razão gerencial ou comercial" e não conseguiu persuadir os auditores KPMG a assinarem as contas de 2016.

Mas, além da crise de caixa da AIBA, a federação também esteve nas "cordas" depois que uma série de decisões ruins arruinaram a competição de boxe do ano passado nas Olimpíadas de Rio, quando todos os juízes tiveram suas atuações investigadas nos ringues cariocas.

Wu será agora substituído por um presidente interino.

Mais conteúdo sobre:
Boxe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.