Nilton faz melhor jogo da carreira diante do Santos

Com boa atuação e gol, zagueiro é o destaque na vítoria por 2 a 0 no clássico deste domingo

Fábio Hecico, do Estadão,

02 Setembro 2007 | 20h13

O goleiro Felipe fez grandes defesas, Vampeta orquestrou o meio-campo corintiano e os atacantes Éverton Santos e Arce puxaram diversos bons contra-ataques. O boliviano ainda anotou um gol de cabeça. Todos certamente estarão com notas altas nos mais diversos jornais por seus desempenhos no Estádio do Pacaembu. Além deles, não dá para deixar de elogiar o desempenho do zagueiro Nilton. Neste domingo, ele viveu o grande dia de sua promissora carreira.   O garoto do Terrão nem ia disputar o clássico. Na sexta-feira, começou o treino coletivo no time reserva, já que o técnico Zé Augusto apostava todas as suas fichas na dupla Betão/Zelão. Mas o destino resolveu aprontar com o jovem de 20 anos. O experiente Ricardinho sofreu lesão muscular na coxa direita. Saiu mancando, com estiramento muscular e sobrou para Nilton a missão de segurar o potente ataque santista. Pedreira?   Não para o menino pobre que prometeu à mãe, Irene, ainda na infância, que ia vencer na vida. Atacante no início da carreira, volante por escolha e zagueiro por recomendação, ele prometeu a Zé Augusto - considera o treinador um dos responsáveis por estar no time profissional - não decepcionar no jogo.   O zagueiro foi quem abriu o caminho para o corintiano soltar o grito de gol no Pacaembu. Com um chute impressionante em cobrança de falta, a 110 quilômetros por hora, ele acertou o ângulo do goleiro Fábio Costa, que nem se mexeu. "O importante é pegar o jeito do chute", afirmou Nilton, humilde. "Durante os treinos, procuro sempre me aperfeiçoar nas finalizações."   Quem acompanha seu treinos, pode comprovar. Na sexta-feira, quando todos se dirigiam para o banho, após trabalho no mesmo Pacaembu, Nilton pediu uma força para o goleiro Marcelo. Queria trabalhar algumas finalizações.   "Infelizmente, não acertei nenhuma", se divertiu. A imprensa presente no treino foi prova. Era bola no Tobogã, para o alto... "Mas é só trabalhando que a gente vence."   Neste domingo, Nilton venceu, fez gol, tirou uma em cima da linha e ainda foi o responsável pelo expulsão de Adaílton. Seu grande dia trouxe alívio aos corintianos, alvos de piada por não ganhar clássicos.   Vampeta, outro gigante na partida, procurou minimizar as notícias sobre uma possível goleada contra. E, sem querer, acabou cutucando o ex-técnico Carpegiani. "Ninguém do Santos falou em surra. Mas provamos nossa força. Bem escalado, atacamos bem e quase não fomos ameaçados."   Vampeta, Nilton, e os demais companheiros creditaram a vitória, também, à palestra do preparador físico Toninho Oliveira.

Mais conteúdo sobre:
Corinthians Brasileirão Série A

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.