Nicolas Asfouri/AFP
Nicolas Asfouri/AFP

Após vitória na final, Federer diz que não notou problema físico de Nadal

Espanhol entrou em quadra para decisão do Masters 1000 de Xangai com uma espécie de cinta na perna para estabilizar o joelho

Estadão Conteúdo

15 Outubro 2017 | 12h06

O suíço Roger Federer atropelou seu maior rival, o espanhol Rafael Nadal, para ficar com o título do Masters 1000 de Xangai neste domingo. O resultado tranquilo de 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/3, fez com que uma possível lesão de Nadal fosse especulada, já que o tenista entrou em quadra com uma proteção na perna. Mas Federer garantiu não ter notado qualquer problema com o adversário.

+ Sharapova volta a vencer após suspensão por doping

"Na partida em si, eu achei que ele estava bem. Parecia rápido. Não vi problemas, para ser sincero. Me surpreendi com a partida, mas não vi nenhum problema", garantiu o suíço. "Não vi qualquer problema com a defesa dele, só reparei que ele estava usando a proteção."

Nadal entrou em quadra com uma espécie de cinta na perna, para estabilizar o joelho que tantos problemas lhe trouxe nos últimos anos. O próprio espanhol evitou falar de qualquer lesão, mas admitiu que pode alterar seu planejamento para as próximas semanas do calendário.

"Não sei se isso vai acontecer. Nestas próximas duas semanas, preciso pensar nisso", afirmou o tenista, que inicialmente tem pela frente o Torneio da Basileia, a partir do próximo dia 23, e o Masters 1000 de Paris, que começa no dia 30. "Meu calendário tem Basileia e Paris, mas não sei o que vai acontecer. Não quero falar sobre isso agora. Depois de perder uma final, não é o momento."

Federer conseguiu a quinta vitória consecutiva sobre Nadal, sendo a quarta este ano, para faturar seu 94.º troféu da ATP na carreira, se igualando ao checo Ivan Lendl e ficando atrás somente do norte-americano Jimmy Connors, que tem 109. No confronto direto, porém, Nadal ainda leva vantagem sobre o suíço, com 23 triunfos em 38 jogos entre eles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.