Felipe Rosa Mendes
Felipe Rosa Mendes

Brasileiros perdem e ficam fora das finais do Rendez-Vous à Roland Garros

Torneio acontece em seis países: Brasil, Coreia do Sul, China, Japão, Índia e Estados Unidos

Felipe Rosa Mendes, enviado especial a Paris, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2017 | 16h54

Os brasileiros João Ferreira e Nathalia Gasparin foram eliminados na fase de grupos das finais do Rendez-Vous à Roland Garros, seletiva que dá vaga na chave juvenil do Grand Slam francês. Nathalia ganhou um jogo e perdeu o outro que disputou nesta sexta-feira, enquanto Ferreira foi derrotado duas vezes, em Paris.

Promovido pela organização de Roland Garros, o Rendez-Vous é um torneio disputado em seis países: Brasil, Coreia do Sul, China, Japão, Índia e Estados Unidos. Cada campeão nacional, no masculino e no feminino, ganha vaga para disputar as "finais" da competição em Paris, às vésperas do início da chave principal do Grand Slam. João e Nathalia são os representantes brasileiros na competição.

Campeão no masculino da etapa brasileira, João Ferreira foi o primeiro a entrar em quadra no saibro do Cercle Athlétique de Montrouge, clube localizado na região sul de Paris. Demonstrando nervosismo, o mineiro de 16 anos acabou sendo derrotado pelo norte-americano Michael Heller por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/4.

Apesar da derrota, o brasileiro ainda tinha chances de classificação por causa do formato incomum do torneio. Os seis tenistas, no masculino e feminino, foram divididos em dois grupos de três competidores. Eles disputaram dois jogos cada nesta sexta-feira. O melhor de cada grupo avançou à final, que será disputada no próprio complexo de Roland Garros, neste sábado.

Ferreira, portanto, ainda poderia sonhar com a vaga, dependendo dos demais resultados de sua chave. Porém, o americano acabou com as chances do brasileiro ao vencer um set contra o japonês Hikaru Shiraishi. Na sequência, levou uma virada do próprio tenista do Japão, com parciais de 6/2, 6/7 (5/7) e 4/6.

"O segundo jogo foi um pouco atípico. No primeiro set foi mais tranquilo, ainda não estava jogando o meu melhor. No segundo set, a perna esquerda começou a dar uma fisgada. Fiquei bambo, não conseguia jogar, sentia muito cansaço", disse Ferreira, ao admitir desgaste não somente pelo formato de dois jogos por dia. "Neste ano, fiquei apenas uma semana e meia em casa."

Ferreira vem de uma sequência de semanas seguidas competindo na Europa para ganhar experiência, principalmente na companhia de tenistas mais acostumados com o circuito. "A maior lição da gira inteira foi que não vai ter jogo fácil. Não vai ser como 'estou acostumado', quando pegava jogos mais fáceis [na América do Sul]. A energia tem que estar alta o tempo inteiro, tem que sempre estar atento", comentou o tenista, que é treinado por Hugo Daibert, mesmo treinador do duplista Bruno Soares.

No feminino, Nathalia Gasparin começou bem sua trajetória no Rendez-Vous, ao superar a indiana Malika Marathe por 7/6 (7/4) e 7/5. Nas duas parciais, a brasileira saiu atrás no placar, mas buscou a virada após estar perdendo por 5/2 e 5/3, respectivamente. "Comecei meio nervosa no primeiro jogo, mas depois fui me soltando", disse Nathalia ao Estado.

A boa vitória, contudo, acabou neutralizada pela derrota para a japonesa Anri Nagata por 6/3 e 6/0. O resultado garantiu a tenista oriental na final, encerrando as chances da brasileira de 17 anos. "Entrei bem nos primeiros games, mas comecei a errar muito, bolas bobas. Perdi oportunidades para fechar os games. Ela jogou bem, mas eu não dei o meu melhor. Podia ter jogado mais", avaliou.

Apesar da eliminação, a brasileira, que fará 18 anos ainda neste 2017, valorizou a experiência de competir sob a chancela de Roland Garros. "Foi a maior oportunidade que tive para chegar a um Grand Slam. Estou muito feliz de ter participado", disse a tenista, que contou com o apoio dos pais na competição.

"Foi uma experiência muito legal, até meus pais vieram me assistir. Eu estava numa gira de nove semanas pela Europa, em torneios ITF, na Bulgária, Romênia, e eles vieram para Paris para me assistir. Eles chegaram hoje, até vieram com mala para cá", afirmou Nathalia, que treina no Clube Curitibano, na capital paranaense.

*O repórter viajou a convite da Federação Francesa de Tênis

Mais conteúdo sobre:
Tênis Grand Slam Roland Garros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.