Vincent Thiam/AP
Vincent Thiam/AP

Federer bate Cilic em 5 sets, iguala recorde na Austrália e chega ao 20º Slam

Tenista suíço sofre em quatro sets, mas atropela na última parcial e conquista o sexto título em Melbourne

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

28 Janeiro 2018 | 10h01

Roger Federer levantou um troféu de Grand Slam pela 20ª vez em sua carreira neste domingo. O novo recorde veio com uma sofrida vitória sobre o croata Marin Cilic em cinco sets, com parciais de 6/2, 6/7 (5/7), 6/3, 3/6 e 6/1, na final do Aberto da Austrália. O tenista suíço defendeu o título conquistado em 2017 e chegou ao 6º troféu em Melbourne, se igualando aos recordes do sérvio Novak Djokovic e do australiano Roy Emerson - este antes da Era Aberta do tênis.

+ Wozniacki derrota Halep e vence primeiro Grand Slam da carreira

+ Superados por Melo em Wimbledon, austríaco e croata vencem nas duplas

No total, o atual número dois do mundo ampliou o recorde de troféus de Grand Slam no masculino, de 19 para 20. Somente três mulheres superam esta incrível marca: a australiana Margaret Court (24), a norte-americana Serena Williams (23) e a alemã Steffi Graf (22). De quebra, Federer aumentou a vantagem sobre o rival Rafael Nadal, que tem 16. Na Austrália, o suíço venceu também em 2004, 2006, 2007, 2010 e no ano passado.

A nova conquista destaca a longevidade do tenista recordista de Grand Slams no masculino. Aos 36 anos e 173 dias, ele é o segundo mais velho da Era Aberta a conquistar um torneio deste nível - está atrás apenas do australiano Ken Rosewall, campeão em Melbourne em 1972, aos 37 anos.

Para coroar todos estes números, Federer sofreu para conter a boa atuação do rival e as suas próprias oscilações em quadra, principalmente no segundo e no quarto sets. Exibindo grande forma no saque, o suíço soube controlar a parte mental após desperdiçar boas oportunidades em quase todos os sets e sacramentou o triunfo, para alegria da maior parte da torcida que o apoiou na Rod Laver Arena.

O JOGO

Com o teto retrátil fechado, em razão do calor (temperatura de 37 graus no início da final), Federer iniciou a final apostando na estratégia de acelerar cada ponto, atacando as devoluções do rival. E, diante do nervosismo do croata, o suíço foi bem-sucedido. Obteve duas quebras de saque em sequência e abriu 4/0 no placar com facilidade. Mesmo com confiança abalada, Cilic venceu dois games e evitou o "pneu" na primeira parcial do jogo, finalizada em apenas 24 minutos.

No segundo set, o croata equilibrou as ações, embora tivesse maior dificuldade para confirmar os seus serviços. Federer seguia pressionando o segundo saque, o que obrigava Cilic a caprichar no primeiro. O croata, por sua vez, quase não conseguia ameaçar os regulares saques do número dois do mundo.

O suíço, contudo, passou a oscilar no décimo game e até salvou um set point, após duas duplas faltas. No equilibrado tie-break, Federer hesitou e Cilic aproveitou o seu terceiro set point na parcial para empatar o duelo. Foi o primeiro set perdido pelo suíço na competição.

Na terceira parcial, o croata começou em alta, exibindo forte confiança, enquanto Federer demonstrava certo abatimento pelos erros seguidos. O equilíbrio, então, foi a marca dos primeiros games. Até que Cilic voltou a oscilar, abrindo brecha para a reação do suíço. Federer não desperdiçou a oportunidade e quebrou o saque no sexto game. Foi o suficiente para encaminhar o set, retomando a dianteira do placar da final.

O quarto set começou com o suíço na frente, com uma quebra logo no primeiro game. Após abrir 2/0, ele teve break points para fazer 3/0, mas perdeu as oportunidades que praticamente selariam sua vitória. Cilic, então, reagiu e devolveu a quebra no sexto game: 3/3. Mais confiante, ele obteve nova quebra no decisivo oitavo game e fez 5/3. Na sequência, confirmou seu saque, fechando o set e empatando novamente a disputada partida.

A quinta parcial começou com Federer dependendo mais do seu serviço, enquanto Cilic comandava as principais trocas de bola no fundo de quadra, no embalo de cinco games vencidos em sequência. O suíço, contudo, sustentou seu saque no começo, diferentemente do rival. Após fazer 2/0, o número dois do mundo cresceu em quadra, ao mesmo tempo em que o croata perdia rendimento.

Retomando o ritmo do começo do jogo, Federer foi para cima e faturou outra quebra. Ele fez 5/1 e não teve dificuldades para sacramentar a vitória e o título no game seguinte, ao fim de 3h03min de duelo. O suíço terminou a partida com 24 aces, contra 16 de Cilic. Porém, com menos bolas vencedoras: 41 a 45.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.