Tony O'Brien / Reuters
Tony O'Brien / Reuters

Melo vence fácil na estreia nas duplas e Demoliner é eliminado na Austrália

Eleita melhor dupla em 2017, Melo e Kubot vence por 2 sets a 0 em apenas 51 minutos

Estadão Conteúdo

18 Janeiro 2018 | 08h42

Marcelo Melo e Lukasz Kubot não tiveram problema para avançar na estreia na chave de duplas do Aberto da Austrália. Nesta quinta-feira, o brasileiro e o polonês ficaram em quadra por apenas 51 minutos, tempo suficiente para superarem o italiano Paolo Lorenzi e o alemão Mischa Zverev por 2 sets a 0, com um duplo 6/2.

+ Soares e Bia Haddad vencem jogos de estreia nas duplas no Aberto da Austrália

+ Nadal vence argentino e encara bósnio na 3ª rodada do Aberto da Austrália

Líderes do ranking de duplas da ATP, Melo e Kubot até tiveram um início lento na estreia em Melbourne, tanto que permitiram que os tenistas europeus abrissem 2/1, com uma quebra de saque. Mas depois reagiram e, com três break points convertidos, ganharam cinco games seguidos, fechando a primeira parcial em 6/2.

No segundo set, Melo e Kubot não tiveram o saque ameaçado por Lorenzi e Zverev. E eles ainda conseguiram quebras de serviço no quarto e oitavo games, vencendo novamente por 6/2. Assim, avançaram à segunda rodada do Aberto da Austrália, fase em que terão pela frente os australianos Max Purcell e Luke Saville.

Se Melo teve êxito na sua estreia no primeiro Grand Slam da temporada, Marcelo Demoliner caiu logo na rodada inicial na chave de duplas. Também nesta quinta-feira, o brasileiro e o filipino Treat Huey até fizeram jogo duro, mas perderam para o polonês Marcin Matkowski e o paquistanês Aisam-Ul-Haq Qureshi por 2 sets a 0, com parciais de 7/6 (8/6) e 6/4, em 1 hora e 24 minutos.

O primeiro set da partida não teve quebras de serviço, com Demoliner e Huey desperdiçando dois break points e sendo batido nos tie-break. Depois, na segunda parcial, não conseguiram ameaçar o saque dos oponentes e perderam o serviço uma vez, sendo eliminados do Aberto da Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.