Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Por 'longevidade', Federer desiste de Roland Garros e só voltará a jogar na grama

Retorno do suíço às quadras estava previsto para acontecer no Grand Slam francês

O Estado de S.Paulo

15 Maio 2017 | 16h14

Sem jogar desde 2 de abril, dia em que derrotou Rafael Nadal na final do Masters 1000 de Miami, Roger Federer anunciou nesta segunda-feira que ficará fora desta edição de Roland Garros, que começa no próximo dia 28, em Paris. Inicialmente, o retorno do suíço às quadras estava previsto para acontecer no Grand Slam francês, mas o tenista de 35 anos de idade optou por priorizar a temporada de grama e de quadras duras em sua volta do circuito profissional.

O recordista de títulos de Grand Slam reconheceu que as grandes exigências físicas das partidas em piso de saibro não seriam benéficas para a continuidade de sua temporada, na qual está sendo bastante seletivo para definir as suas prioridades sem atrapalhar a almejada longevidade de sua carreira.

"Queridos fãs, infelizmente, decidi não participar de Roland Garros. Trabalhei muito duro, dentro e fora de quadra, durante o mês passado, mas para tentar jogar no circuito mundial da ATP por muitos anos, sinto que é melhor pular a temporada de saibro neste ano e me preparar para as temporadas de quadras de grama e dura", admitiu Federer, por meio de comunicado divulgado em seu site oficial.

Em seguida, o suíço lembrou de como o seu início de temporada foi bom, com as conquistas do Aberto da Austrália, Grand Slam realizado em Melbourne, e dos Masters 1000 de Indian Wells e Miami, ambos nos Estados Unidos. E, apesar do fato de que teria quase dois meses sem disputar torneios até Roland Garros, o lendário tenista destacou que é preciso respeitar os limites atuais do seu corpo.

"O começo deste ano foi mágico para mim, mas eu preciso reconhecer que a programação será a chave para a minha longevidade", disse Federer, para depois destacar que, em conjunto com a sua equipe, concluiu que "disputar apenas um evento no saibro não era o melhor" para o seu tênis e sua preparação física para o restante da temporada.

"Vou sentir falta dos torcedores franceses, que têm sempre me dado muito apoio, e estou ansioso para vê-los lá em Roland Garros no próximo ano", completou o suíço ao encerrar o seu comunicado desta segunda-feira.

Assim, Federer só voltará a jogar em junho, quando começa a temporada de grama que tem como principal objetivo a disputa de Wimbledon, que será realizado entre os dias 3 e 17 de julho, em Londres. Na capital inglesa, o suíço sonha em poder conquistar o seu oitavo título deste tradicional Grand Slam - ele foi campeão pela última vez do grande evento realizado no All England Club em 2012.

Mais conteúdo sobre:
Tênis tênis Roland Garros Roger Federer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.