EFE/Etienne Laurent
EFE/Etienne Laurent

Thomaz Bellucci lamenta derrota em Roland Garros e revela dores no glúteo

Brasileiro não conseguiu superar o francês Lucas Poullie e acabou superado por 3 sets a 0

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2017 | 19h10

O tenista brasileiro Thomaz Bellucci creditou a queda de rendimento que resultou na derrota para o francês Lucas Poullie, na segunda rodada de Roland Garros, por 3 sets a 0, nesta quarta-feira, a um problema físico que lhe tirou a concentração durante a partida. O brasileiro revelou ter sentido dores na região do glúteo logo no início do confronto.

"Mais do que atrapalhar, me desconcentrou um pouco. Estava com uma dor há algumas semanas e hoje (quarta-feira) começou a piorar um pouco durante o jogo. A minha movimentação na quadra ficou um pouco prejudicada, comecei a chegar um pouquinho atrasado nas bolas e isso faz diferença", lamentou o brasileiro, que recentemente reclamou também de uma inflamação no ombro.

Thomaz Bellucci começou bem o duelo contra o francês, conquistando uma quebra logo no segundo game do primeiro set, abrindo vantagem de 4 a 1 no placar e poderia ter vencido. Mas o brasileiro não conseguiu manter o ritmo. O tenista revelou que, a partir do segundo set, perdeu completamente a concentração na partida.

"O primeiro set poderia ter ganho. Saquei para o set. Depois tive alguns set points que ele jogou bem. No primeiro set, acho que joguei bem. Consegui, acima de tudo, sacar muito bem, errar pouco, mantive o jogo. Depois, no segundo e no terceiro (sets), cometi muitos erros, baixei muito o nível do saque. Ele (Lucas Poullie) jogou um pouquinho mais solto, conseguiu encaixar algumas bolas que eu não estava encaixando. Acho que se mantenho o nível do primeiro set teria muito mais chances. No segundo e no terceiro, saí muito do jogo", analisou Thomaz Bellucci.

O brasileiro reconheceu a má fase e considerou a hipótese de alterar a preparação, especialmente a parte física, para melhorar o desempenho em quadra e chegar aos 50 primeiros do ranking da ATP ainda em 2017. "Tá faltando encaixar algumas coisas, estou me encontrando de novo. Não estou num momento feliz na minha quadra. Preciso melhorar bastante. Também tenho que trabalhar bem fisicamente, talvez de uma maneira diferente. Tecnicamente também. Preciso melhorar a parte defensiva do meu jogo. Se melhorar alguns detalhes, talvez consiga voltar aos 50 (melhores do mundo). Talvez dosar um pouco mais alguns torneios. Estou viajando desde fevereiro. Talvez a preparação devesse ser diferente", complementou o atleta.

Thomaz Bellucci também foi eliminado da chave de duplas de Roland Garros, na última terça-feira. A parceria do tenista brasileiro com o argentino Carlos Berlocq não conseguiu superar o holandês Jean-Julien Rojer e o romeno Horia Tecau. O atual número 61 do mundo terá agora aproximadamente três semanas para treinar e se preparar para a temporada de grama. Entre os torneios que deverá disputar está o de Wimbledon.

ROGÉRIO DUTRA SILVA

O brasileiro Rogério Dutra Silva lamentou a derrota para o canadense Milos Raonic, o sexto colocado no ranking da ATP, por 3 sets a 1. O tenista elogiou o saque do adversário e considerou a perda de oportunidades em games decisivos como cruciais para a derrota.

"Acho que foi a chance. Mas os momentos que tive, se não me engano no 2 a 2, quando tive um 15/40, e foram quatro. Depois, no quarto set, tive outro 15/40 e se não me engano ele colocou três ou quatro saques muito bons. Foram os momentos que tive a chance de tentar fazer uma devolução um pouco melhor ou fazer ele jogar um game que era um momento de tensão, mas ele não me deixou fazer isso. Então, mérito dele", disse.

Rogério Dutra Silva avaliou como positiva a participação brasileira em Roland Garros - o País teve três atletas chegando à segunda rodada de Roland Garros - o quarto é Thiago Monteiro, que joga nesta quinta-feira -, algo que não ocorria desde 2003 em torneios de Grand Slam. Mas considerou baixo o número de brasileiros nas fases qualificatórias dessas competições.

"Por um lado sim, muito positivo. Mas poderia ter mais jogadores no quali. O tênis brasileiro está vindo num momento bom. Tem a Bia (Haddad Maia) que está jogando num nível legal, tem o Thiago (Monteiro). O Thomaz (Bellucci) não precisa nem falar que já está estabelecido lá em cima, eu estou tentando chegar cada vez mais próximo, o Feijão (João Souza) também esteve e deve voltar. Acho que tem uma safra bastante legal vindo aí", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.