Tranqüilo, Guga diz não ter pressa

Nem ranking, nem Roland Garros: Gustavo Kuerten está preocupado mesmo é com a sua recuperação. Na tarde desta sexta-feira, em Florianópolis, o tenista deu uma entrevista coletiva para explicar a cirurgia no quadril feita semana passada, nos Estados Unidos. Ele entrou caminhando no auditório, sem qualquer amparo, e só tomou muito cuidado ao subir alguns degraus. "Tudo que quero é me recuperar bem, tentar voltar às quadras o mais rápido possível, mas com segurança. Por enquanto, vou praticar triatlo: sinuca, truco e dominó", avisou Guga. Guga não sabe exatamente quando acontecerá o retorno. Pode ser daqui a dois ou três meses, dependendo da resposta do seu organismo à fisioterapia, que já começou a ser feita. Ele está fazendo duas horas de exercícios por dia nesse primeiro mês, e inicia a hidroterapia na próxima segunda-feira. "Vou aumentando aos poucos a intensidade do tratamento, de acordo com as possibilidades do meu corpo", explicou Guga. Seu desejo é reiniciar o treinamento com bola em dois meses, mas não quis fazer previsões sobre a disputa do Grand Slam em Paris, no final de maio. "Se um mês antes de Roland Garros eu estiver nas quadras, terei condições de me preparar para o torneio, mas não posso ir contra a natureza." Há 15 anos Guga não sabe o que é ficar um mês sem jogar tênis. "Já que estou nessa situação, tenho que pensar nos prazeres que ela pode me proporcionar", disse. Como vai passar um tempo recorde em Florianópolis, ele terá a oportunidade de fazer coisas que não consegue fazer normalmente, como ficar perto da família e curtir a praia. Guga acredita ter feito a cirurgia no momento certo, depois do fraco desempenho no Torneio de Buenos Aires. Não vendo outra alternativa, ele conversou muito com Magnus Norman, que passou por um problema parecido, porém mais grave, e acabou sendo operado pelo mesmo cirurgião, o médico Thomas Byrd. "Vou me empenhar para voltar no nível que eu estava antes do problema surgir. Tenho uma carreira consolidada e não serão alguns meses de afastamento que a tornarão menos boa", avaliou Guga. Ele não está nem mesmo preocupado com o ranking. "Meu principal objetivo é cuidar da minha saúde. Não sei se vou conseguir voltar entre os cinco, mas se estiver entre os primeiros dez ou 15 do mundo já está bom. Quero é estar jogando como eu gosto." Ao seu lado do filho na entrevista, Alice Kuerten fez questão de elogiar o comportamento do ?paciente?. "Já são dez dias de recuperação e ele está bastante tranqüilo e confiante, e é isso que importa."

Agencia Estado,

08 Março 2002 | 17h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.