Ronald Wittek/EFE
Ronald Wittek/EFE

Wimbledon definirá convite para Sharapova no dia 20 de junho

Russa voltou recentemente após cumprir suspensão por doping

Estadão Conteúdo

03 Maio 2017 | 13h42

Maria Sharapova terá que esperar até 20 de junho para ver se ela receberá um convite para participar da edição deste ano de Wimbledon. O chefe-executivo do torneio, Richard Lewis, explicou nesta quarta-feira que haverá nesta data uma reunião para definir quem será chamado para compor a chave do Grand Slam londrino.

A russa, campeã no All England Club em 2004, voltou ao circuito mundial do tênis na semana passada, depois de ter cumprido uma suspensão de 15 meses por doping, alcançando as semifinais do Torneio de Stuttgart, o que a deixou ranqueada na 262ª colocação.

Sharapova está programado para jogar mais dois torneios, em Madrid e Roma, antes do prazo para a entrada direta no qualifying de Wimbledon. Bons desempenhos nesses eventos podem render pontos suficientes para garanti-la na chave principal de Wimbledon. Além disso, ela saberá em 16 de maio se vai jogar em Roland Garros.

Andy Murray, o número 1 do mundo no tênis masculino, disse esperar que Sharapova receba um convite se isso for necessário. "Mas eu tenho certeza que eles estão esperando que eles não tenham que tomar essa", disse, no evento de lançamento do Torneio de Queen's, preparatório para Wimbledon. "Há uma boa chance de que ela possa entrar pelo seus direitos, o que tenho certeza que ela está esperando e é isso que Wimbledon estará esperando", acrescentou.

Lewis revelou que pela primeira vez na história o qualifying de Wimbledon pode contar com a venda de ingressos, além de ter transmissão ao vivo. Mas garantiu que isso não possui relação com uma possível participação de Sharapova, mas ocorrerá pelo aumento do interesse pelo torneio classificatório.

O presidente do All England Club, Philip Brook, também avisou que Ilie Nastase, duas vezes finalistas em Wimbledon, não será convidado para o box real, na quadra central do complexo. O romeno, de 70 anos, foi suspenso provisoriamente pela Federação Internacional de Tênis após realizar comentários racistas sobre a gravidez de Serena Williams e também por proferir insultos no duelo da equipe capitaneada por ele contra a Grã-Bretanha pela Fed Cup. "O que ele fez, temos que dizer, suas ações não foram nada boas e nós o condenamos", disse Brook.

Haverá um aumento de 12,5% no valor total da premiação de Wimbledon, chegando a 31,6 milhões libras (aproximadamente R$ 128,6 milhões). Os campeões de simples ganharão cada um 2,2 milhões de libras (R$ 9 milhões), um aumento de 10% em relação a 2016. Tenistas eliminados na primeira rodada receberão 35 mil libras (R$ 142 mil), 16,7% a mais em comparação ao ano passado. A edição de 2017 de Wimbledon começará em 3 de julho, na edição com início mais tardio desde 1895.

Mais conteúdo sobre:
tênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.