Começa o desmonte em Interlagos

O corre-corre no Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 não acaba com a bandeirada final - ainda que seja dada apenas a partir de Takuma Sato, da Jordan, o nono colocado. Tão logo começa a prova na pista, outra corrida é iniciada nos bastidores para desmontar todos os equipamentos das equipes. A cada ano que passa, o "desmanche" está sendo realizado mais rápido e acabando cada vez mais cedo e não é um mero capricho das escuderias, mas uma necessidade. Na Williams, por exemplo, Juan Pablo Montoya e Ralf Schumacher deixaram o Brasil na noite de hoje. Na terça-feira, a equipe começa a fazer em Valência, na Espanha, os primeiros testes nos carros para o Grande Prêmio de Ímola, dia 14. Ainda que os carros usados para novas experiências não sejam os mesmos usados no Brasil, parte dos equipamentos necessários para montagem e avaliação vem de Interlagos. Mas ainda há um fator psicológico para incentivar a rapidez no desmanche. Alguns integrantes das equipes deixaram a Europa no dia 23 de fevereiro rumo à Austrália, local da primeira prova da temporada de Fórmula 1. Depois, o "circo" seguiu direto para a Malásia, onde foi realizada a segunda etapa e, em seguida, para o Brasil. Este grupo, portanto, está fora de casa há mais de um mês. John Mackerly, engenheiro-mecânico da Jaguar, espera chegar amanhã em Londres, com outros dois mecânicos. Ele só vai ter um dia de folga antes de retomar os testes. Hoje, reclamava do cansaço depois de um duro fim de semana de trabalho. "Mas isso é acontece sempre depois de um GP." Para estes profissionais, é rotina passar uma noite inteira em claro para resolver um problema que eventualmente venha a aparecer em um carro. Phil Barret, coordenador da Jordan, conseguiu dar uma passada em casa antes do GP do Brasil e está apenas uma semana longe da família. Foi beneficiado pelo fato de morar Northampton, perto da fábrica da equipe, localizada em frente ao Autódromo de Silverstone, na Inglaterra. "Voltar para casa é sempre bom, mas na verdade eu fico pouco tempo por causa do trabalho que irei fazer na fábrica, já pensando no Grande Prêmio de San Marino." Hoje, pouca coisa a fazer resta nos boxes. Uma parte expressiva dos containeres saiu hoje do autódromo rumo ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas, responsável pela recepção e embarque de todos os equipamentos pesados do "circo" da Fórmula 1. A Sauber, do brasileiro Felipe Massa, foi a que terminou seu serviço mais cedo, até porque o piloto e seu companheiro de equipe, o alemão Nick Heidfeld, não completaram a prova, facilitando o desmanche. Hoje a mais atrasada era a Minardi, que à noite ainda estava tirando gasolina dos motores. Segundo o responsável pela desmontagem das equipes, que não quis se identificar, a previsão é de que todos os equipamentos da Fórmula 1, já tenham deixado Interlagos na manhã desta segunda-feira.

Agencia Estado,

31 Março 2002 | 20h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.