Dia tranqüilo no QG da Fórmula 1

Já não é mais como nos bons tempos, quando, ao primeiro sinal do desembarque de um piloto de ponta em São Paulo, os fãs corriam para o hotel onde o ídolo ficava hospedado e, na sua chegada - ou então quando caminhava pelo saguão -, se acotovelavam em busca de autógrafos e fotos. Hoje, o Hotel Transamérica, base da F-1, teve uma quarta-feira tranqüila. O movimento, pequeno, ficou por conta dos jornalistas, de integrantes das equipes e um o outro piloto. Claro que teve fã. Em número reduzido. Uma dupla feminina, para ser exato. Amigas, Danielle Mota e Daniella Ribeiro, saíram de São Caetano do Sul pela manhã para ver os ídolos. Antes, deram uma passadinha num shopping para comprar presentes para o "preferido??: Ralf Schumacher. O alemão da Williams ganhou um livro - Brasil, passado e presente -, uma camisa e um cachorrinho São Bernardo. De pelúcia. Presente para o filho de Ralf, David, de oito meses. Presentes entregues, fotos tiradas e autógrafos obtidos, as amigas, que concordam em quase tudo, discordaram em relação ao "piloto Ralf??. "Eu acho o (Juan Pablo) Montoya melhor??, disse Danielle Motta. "Sou mais o Ralf. E o Montoya não é muito simpático??, rebateu Daniella Ribeiro, que vestia uma camisa com a foto dos irmãos Schumacher. "É, o Ralf é mais bonito??, encerrou a primeira. Direto de casa - Montoya também levou uma dupla de fãs ao hotel. Ou melhor: levaram para ele. Os colombianos Felipe Camacho, 19 anos, e Gerardo Rayo, 54, vieram a São Paulo graças a uma promoção de uma seguradora alemã, parceira da Williams, que tem negócios em vários países e premiou seus vendedores mais eficientes na Colômbia com a oportunidade de assistir o GP do Brasil. Felipe, na realidade, veio porque o tio, ganhador da promoção, não pôde viajar. Montoya, claro, "encanta?? seus dois compatriotas. "Ele é excelente, está representando muito bem o meu país.?? Mas é realista. "O Juan tem potencial, mas para chegar ao Ayrton Senna, falta muito??, afirma. "Só que é talentoso e pode vir a ser igual ao Senna??, acredita Gerardo. Além de ver a corrida, os colombianos querem conhecer São Paulo e pediram informações sobre as atrações da cidade. Entre as várias opções listadas, demonstraram especial interesse por uma: a exposição Pelé, a Arte do Rei, no Masp. Afinal, colombiano também adora futebol.

Agencia Estado,

27 Março 2002 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.